Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Linfogranuloma venéreo (LGV)

Por

Sheldon R. Morris

, MD, MPH, University of California San Diego

Última revisão/alteração completa mar 2018| Última modificação do conteúdo mar 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

O

linfogranuloma venéreo é uma doença sexualmente transmissível causada por Chlamydia trachomatis. Ele causa linfonodos inchados e dolorosos na virilha e às vezes infecção do reto.

  • O linfogranuloma venéreo começa como uma bolha pequena e muitas vezes imperceptível que cicatriza rapidamente. Depois os linfonodos incham e se tornam sensíveis.

  • Os médicos suspeitam da infecção com base nos sintomas e confirmam a infecção com exames de sangue.

  • Antibióticos, tomados por três semanas, podem curar a infecção, mas os linfonodos podem continuar inchados.

O linfogranuloma venéreo é causado por tipos de Chlamydia trachomatis diferentes daqueles que causam a infecção da uretra (uretrite) e do colo do útero (cervicite).

O linfogranuloma venéreo ocorre principalmente em áreas tropicais e subtropicais e é rara nos Estados Unidos. No entanto, tem havido relatos em homens que fazem sexo com homens na Europa, América do Norte e Austrália.

Infecções retais causadas por essas bactérias se tornaram mais comuns em pessoas que praticam sexo anal.

Sintomas

Os sintomas do linfogranuloma venéreo começam cerca de três dias depois da infecção. Eles ocorrem em três estágios.

No primeiro estágio, se desenvolve uma bolha pequena, indolor, cheia de líquido no pênis ou na vagina. Geralmente, a bolha se transforma em ulceração que sara rapidamente e costuma passar despercebida.

O segundo estágio geralmente começa depois de duas a quatro semanas. Em homens, os linfonodos na virilha, de um ou de ambos os lados, podem inchar e ficar sensíveis ao toque. Os linfonodos aumentados e sensíveis (chamados ínguas) se ligam aos tecidos mais profundos e à pele sobrejacente, que fica inflamada. Mulheres frequentemente sentem dor nas costas ou pelve (a parte mais inferior do tronco) e linfonodos perto do reto e na pelve se tornam inchados e dolorosos. Tanto em homens como em mulheres, a pele sobre o linfonodo afetado pode se romper, formando uma passagem (chamada fístula) por onde pus ou sangue drenam para a pele. As pessoas podem ter febre e sentir mal-estar geral.

No terceiro estágio, as feridas cicatrizam com fibrose, mas a fístula pode persistir ou recorrer. Se a infecção durar muito tempo ou reincidir, os vasos linfáticos (que drenam líquidos dos tecidos) podem ficar bloqueados, causando o inchaço dos tecidos genitais e formação de ulcerações na pele.

Infecção retal pode causar uma secreção sangrenta com pus do ânus. Se a infecção durar por muito tempo, pode causar a formação de cicatrizes, o que pode estreitar o reto. Linfonodos na pelve podem inchar, causando dor.

Diagnóstico

  • Testes em uma amostra de sangue

  • Testes em uma amostra da ferida

Linfogranuloma venéreo é suspeitado em pessoas com sintomas característicos e que vivem ou visitaram regiões onde a infecção seja comum ou que tenham contato sexual com pessoas dessas regiões.

O diagnóstico de linfogranuloma venéreo pode ser confirmado por um dos testes abaixo:

  • O exame de sangue que identifica anticorpos contra Chlamydia trachomatis.

  • Testes que aumentam a quantidade do material genético específico da bactéria para que ele seja mais facilmente identificado (chamados testes de amplificação de ácido nucleico ou NAATs), realizados em amostras das feridas infectadas na virilha ou reto

Prevenção

As seguintes medidas gerais podem ajudar a prevenir o linfogranuloma venéreo (e outras doenças sexualmente transmissíveis):

  • Uso correto e regular de preservativos ( Como usar um preservativo)

  • Evitar práticas sexuais inseguras, tais como trocar de parceiros sexuais com frequência ou ter relações sexuais com prostitutas ou parceiros que possuem outros parceiros sexuais

  • Diagnóstico e tratamento imediatos da infecção (para impedir a transmissão para outras pessoas)

  • Identificação dos contatos sexuais de pessoas infectadas, seguida de aconselhamento ou tratamento desses contatos

Não praticar sexo (anal, vaginal ou oral) é a maneira mais confiável de prevenir doenças sexualmente transmissíveis, mas normalmente fora da realidade.

Tratamento

  • Um antibiótico

Se administradas logo no início da infecção do linfogranuloma venéreo, a doxiciclina, eritromicina ou tetraciclina (que são antibióticos), tomadas por via oral durante três semanas, curam a infecção, mas o inchaço pode persistir se os vasos linfáticos estiverem irreversivelmente danificados.

Os médicos podem usar uma agulha ou fazer uma incisão para drenar bubões se eles estiverem causando desconforto.

Se a pessoa tiver contato sexual com uma pessoa infectada nos 60 dias antes do início dos sintomas, ela deve ser examinada e tratada com dose única de azitromicina ou com doxiciclina por via oral durante sete dias independentemente de evidências sugerirem que ela tem ou não linfogranuloma venéreo.

Depois que o tratamento parecer ser bem-sucedido, as pessoas devem ser examinadas periodicamente por seis meses.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Como lavar as mãos
Vídeo
Como lavar as mãos
Modelos 3D
Visualizar tudo
Herpes labial
Modelo 3D
Herpes labial

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS