Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Cistite intersticial

(Síndrome da bexiga dolorosa)

Por

Patrick J. Shenot

, MD, Sidney Kimmel Medical College at Thomas Jefferson University

Última revisão/alteração completa set 2018| Última modificação do conteúdo set 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

A cistite intersticial é uma inflamação não infecciosa da bexiga.

  • A cistite intersticial causa dor acima da bexiga, na pélvis ou no baixo-ventre e a necessidade urgente e frequente de urinar, algumas vezes com incontinência.

  • Os médicos precisam examinar a parte interna da bexiga com um tubo flexível de visualização (cistoscopia) e fazer uma biópsia da bexiga.

  • Não há cura, mas os sintomas podem ser aliviados com alterações na dieta e hábitos urinários, medicamentos para aliviar a dor e pentosana.

(Consulte também Controle da micção.)

Pensava-se que a cistite intersticial era relativamente incomum. Entretanto, os médicos agora pensam que pode ser mais comum do que originalmente se achava e que pode ser responsável por outros problemas, como dor pélvica crônica. Embora homens e crianças possam ser afetados, cerca de 90% dos casos da cistite intersticial ocorre em mulheres.

Desconhece-se a causa. Mas os médicos acreditam que a lesão às células que revestem a bexiga pode permitir que as substâncias na urina irritem a bexiga. As células envolvidas com as reações alérgicas (mastócitos) podem estar envolvidas nas alterações da bexiga, mas seu papel exato é incerto.

Sintomas

Inicialmente, as pessoas com cistite intersticial podem não apresentar sintomas. Os sintomas normalmente aparecem e gradualmente pioram com os anos, à medida que a parede da bexiga é lesionada. As pessoas sentem dor ou pressão sobre a bexiga ou na pélvis ou baixo-ventre. As pessoas também sentem a necessidade de urinar com frequência e urgentemente, muitas vezes a cada hora. Os sintomas pioram à medida que a bexiga se enche e diminui quando a pessoa urina. Em casos muito graves, as pessoas podem ficar sentadas no vaso sanitário por horas, deixando a urina gotejar continuamente.

Os sintomas podem piorar durante a ovulação ou menstruação, alergias sazonais, estresse físico ou emocional ou relação sexual. Os alimentos com alto teor de potássio (por exemplo, frutas cítricas, chocolate, bebidas cafeinadas e tomates), comidas picantes, fumo e álcool podem piorar os sintomas.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

  • Cistoscopia com possível biópsia

O diagnóstico de cistite intersticial é sugerido pelos sintomas. Os médicos fazem um exame completo, frequentemente incluindo um exame pélvico nas mulheres e um exame de toque retal. Os exames são necessários para determinar se outro quadro pode estar causando os sintomas. Por exemplo, os médicos fazem uma urinálise e cultura para verificar se há infecções do trato urinário.

Exame da bexiga com um tubo flexível de visualização (cistoscopia) é feito para que os médicos possam examinar o revestimento da bexiga. Algumas vezes os médicos fazem uma biópsia da bexiga ao mesmo tempo para descartar o câncer.

Algumas vezes os médicos colocam uma solução contendo potássio diretamente na bexiga para determinar como o revestimento da bexiga responde ao potássio e outros agentes irritantes em potencial.

Tratamento

  • Alterações nutricionais

  • Redução do estresse e exercícios dos músculos pélvicos

  • Treinamento da bexiga

  • Medicamentos

  • Algumas vezes, cirurgia, se outros tratamentos forem ineficazes

Os médicos podem ajudar até 90% das pessoas com cistite intersticial, mas a erradicação completa dos sintomas é rara. Os médicos incentivam as pessoas a ficarem atentas a qualquer coisa que possa desencadear um episódio de sintomas de cistite intersticial.

As alterações na dieta são o primeiro passo no tratamento. Deve-se evitar comidas picantes e alimento com alto teor de potássio porque esses alimentos podem irritar adicionalmente a bexiga. O fumo e o álcool também devem ser evitados.

Redução de esforço e exercícios do músculo pélvico (por exemplo, exercícios de Kegel) feitos com biofeedback, podem ajudar.

As pessoas também aprendem a mudar seus hábitos de micção. O treinamento da bexiga é uma técnica em que a pessoa segue uma programação fixa para urinar enquanto está acordada. O médico trabalha com a pessoa para estabelecer uma programação de micção a cada duas a três horas e reduzir a urgência de urinar em outros horários (por exemplo, relaxando e respirando profundamente). À medida que a pessoa se torna mais capaz de reduzir a urgência de urinar, o intervalo é gradualmente aumentado.

Medicamentos são frequentemente necessários. As pessoas podem precisar tomar analgésicos para diminuir a dor. Os antidepressivos também podem diminuir a dor e ajudar a relaxar a bexiga. Anti-histamínicos também podem ajudar a diminuir a urgência urinária. Pentosana pode ser administrada via oral para ajudar a restaurar o revestimento da bexiga. Se a pentosana oral não for eficaz, os médicos podem usar um cateter para colocar uma solução de pentosana diretamente na bexiga. Os médicos também podem instilar uma solução de dimetilsulfóxido na bexiga. A pessoa mantém a solução na bexiga por 15 minutos e, então, urina para remover a solução. Essas soluções podem aliviar a dor e a urgência por algum tempo, mas normalmente esses tratamentos precisam ser repetidos.

Os médicos podem tentar aliviar a dor e a urgência estimulando os nervos que saem da medula espinhal (chamados de raízes) que controlam a bexiga. Uma outra opção possível é esticar a bexiga com líquido ou gás. O tratamento, chamado de hidrodistensão renal, pode aliviar os sintomas.

Os médicos frequentemente combinam tratamentos para propiciar mais alívio. Entretanto, se os tratamentos combinados não forem eficazes, pode-se tentar a cirurgia.

Mais informações

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Visão geral dos rins e do trato urinário
Vídeo
Visão geral dos rins e do trato urinário
Modelos 3D
Visualizar tudo
Doença renal policística: Cistos na superfície renal
Modelo 3D
Doença renal policística: Cistos na superfície renal

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS