Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Pneumonia intersticial não específica

Por

Joyce Lee

, MD, MAS, University of Colorado Denver

Última revisão/alteração completa set 2019| Última modificação do conteúdo set 2019
Clique aqui para a versão para profissionais

A pneumonia intersticial não específica é uma pneumonia intersticial idiopática que ocorre principalmente em mulheres, não fumantes e pessoas com menos de 50 anos.

A maioria das pessoas com pneumonia intersticial não específica tem entre 40 e 50 anos. A maioria das pessoas não apresenta uma causa ou fator de risco conhecido. Porém, um processo semelhante pode se desenvolver em pessoas com doenças do tecido conjuntivo (em particular esclerose sistêmica, polimiosite ou dermatomiosite), em algumas formas de lesão pulmonar induzida por medicamento e em pessoas com pneumonite por hipersensibilidade.

Tosse seca e falta de ar se desenvolvem no decorrer de meses a anos. Pode haver febre baixa e mal-estar geral, porém, febre alta, perda de peso e outros sintomas gerais de doença não são comuns.

Diagnóstico

  • Radiografia ou tomografia computadorizada do tórax

  • Biópsia pulmonar

Assim como ocorre com outras pneumonias intersticiais idiopáticas, são realizadas radiografias torácicas e tomografia computadorizada TC. Testes de função pulmonar geralmente indicam que a quantidade de ar que os pulmões conseguem reter encontra-se abaixo do normal. A quantidade de oxigênio no sangue geralmente é baixa em repouso e ainda menor com o esforço.

Às vezes, os médicos solicitam uma broncoscopia, lavam partes do pulmão com solução salina e, em seguida, coletam o líquido (lavado broncoalveolar) para exame. Mais da metade das pessoas tem mais linfócitos (um tipo de glóbulos brancos) do que o normal nas lavagens.

Uma biópsia pulmonar é frequentemente necessária para confirmar o diagnóstico.

Tratamento

  • Corticosteroides e imunossupressores

Corticosteroides, às vezes com imunossupressores, são geralmente eficazes. A sobrevida depende da gravidade da doença. As pessoas com uma doença leve sobrevivem pelo menos 10 anos após terem sido diagnosticadas. Contudo, a sobrevida diminui para 3 a 5 anos em pessoas com uma doença mais grave.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS