Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Perda de visão súbita

Por

Christopher J. Brady

, MD, Wilmer Eye Institute, Retina Division, Johns Hopkins University School of Medicine

Última revisão/alteração completa dez 2019| Última modificação do conteúdo dez 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

A perda de visão é considerada súbita se progride em poucos minutos ou em poucos dias. Pode afetar um ou ambos os olhos, e toda ou parte do campo de visão. A perda de apenas uma pequena parte do campo de visão (por exemplo, como resultado de um pequeno descolamento da retina) pode parecer visão embaçada. Outros sintomas, como dor ocular, podem surgir dependendo da causa da perda de visão.

O interior do olho

O interior do olho

Causas

A perda súbita da visão tem três causas gerais:

  • Opacidade de estruturas oculares normalmente transparentes

  • Anormalidades da retina (estrutura no fundo do olho que detecta a luz)

  • Anormalidade dos nervos que conduzem os sinais visuais do olho para o cérebro (como o nervo óptico e os caminhos visuais)

A luz precisa passar por diversas estruturas transparentes antes de ser percebida pela retina. Primeiro a luz passa pela córnea (a camada transparente em frente da íris e da pupila), depois pelo cristalino, e depois pelo humor vítreo (substância gelatinosa que preenche o globo ocular). Qualquer coisa que impeça a luz de passar através dessas estruturas, por exemplo, uma úlcera da córnea ou sangramento no humor vítreo ou a interrupção da transmissão de impulsos nervosos do fundo do olho para o cérebro, pode causar perda da visão.

A maioria das doenças que causam perda total da visão quando afetam o olho todo, podem causar perda parcial da visão quando afetam apenas parte do olho.

Quando os caminhos visuais ficam comprometidos

Os sinais nervosos se movimentam ao longo do nervo óptico de cada olho. Os dois nervos ópticos se encontram no quiasma óptico. Lá, o nervo óptico de cada olho se divide, e metade das fibras nervosas de cada lado cruza para o outro lado. Devido a essa disposição, o cérebro recebe informação dos dois nervos ópticos para o campo visual esquerdo e para o campo visual direito. O comprometimento de um olho ou o caminho visual leva a diferentes tipos de perda de visão dependendo de onde houve a lesão.

Quando os caminhos visuais ficam comprometidos

Causas comuns

As causas mais comuns de perda súbita da visão sem dor são

A obstrução súbita da artéria da retina pode resultar de um coágulo de sangue ou pequeno pedaço de material aterosclerótico que se solta e segue para dentro da artéria. A artéria até o nervo óptico pode ficar bloqueada do mesmo modo e também pode ficar bloqueada devido a uma inflamação (como a que pode ocorrer com a arterite de células gigantes [temporal]). Um coágulo sanguíneo pode se formar e obstruir a veia da retina, principalmente em pessoas mais velhas com pressão alta ou diabetes. Pessoas com diabetes também têm o risco de sangramento no humor vítreo.

Às vezes o que parece um início súbito de sintomas pode ser um reconhecimento súbito. Por exemplo, uma pessoa com visão reduzida em um olho há muito tempo (possivelmente devido a uma catarata densa) pode de repente se dar conta da visão reduzida no olho afetado após cobrir o olho não afetado.

Causas menos comuns

Causas menos comuns de perda súbita da visão (consulte a tabela Perda súbita da visão) são acidente vascular cerebral ou ataque isquêmico transitório (AIT), glaucoma agudo, descolamento da retina, inflamação das estruturas na frente do olho entre a córnea e o cristalino (uveíte anterior, também chamada irite), algumas infecções da retina, e sangramento dentro da retina como complicação da degeneração macular relacionada à idade.

Como e por que se desenvolve a cegueira

Qualquer coisa que impeça a passagem da luz do ambiente até o fundo do olho ou que interrompa a transmissão dos impulsos nervosos do fundo do olho para o cérebro afeta a visão. Nos Estados Unidos, a cegueira legal é definida como acuidade visual de 20/200 ou pior no olho melhor, mesmo após correção com óculos ou lentes de contato, ou campo visual restrito a menos de 20° no olho melhor. Muitas pessoas que são consideradas legalmente cegas conseguem distinguir formas e sombras, mas não os pequenos detalhes.

A cegueira pode ocorrer nas seguintes circunstâncias:

A luz não consegue chegar à retina.

  • Lesão na córnea causada por infecção como ceratoconjuntivite por herpes ou infecção após uso excessivo de lentes de contato, que resultam em cicatriz da córnea opaca

  • Lesão na córnea como resultado de deficiência de vitamina A, que causa secura ocular (ceratomalacia) e dá origem a uma cicatriz que torna a córnea opaca (raro em países desenvolvidos)

  • Lesão na córnea causada por ferimento grave que resulta em cicatriz que torna a córnea opaca

  • Catarata, que leva à perda de nitidez do cristalino

Os raios de luz não focalizam corretamente na retina.

  • Foco imperfeito dos raios de luz na retina (erro de refração) que não pode ser totalmente corrigido com óculos ou lentes de contato (como para alguns tipos de catarata)

A retina não consegue perceber os raios de luz corretamente.

  • Descolamento da retina

  • Diabetes mellitus

  • Degeneração macular

  • Retinite pigmentosa

  • Suprimento inadequado de sangue para a retina, em geral devido a uma obstrução da artéria ou veia da retina, podendo ter como causa a inflamação da parede dos vasos sanguíneos (como a arterite de células gigantes), ou devido a um coágulo sanguíneo que viaja de algum lugar para o olho (como o que vem da artéria carótida no pescoço)

  • Infecção da retina (como as causadas por Toxoplasma, ou fungos)

Os impulsos nervosos da retina não são transmitidos corretamente para o cérebro.

  • Doenças que afetam o nervo óptico ou os caminhos dentro do cérebro, como tumores, derrame, infecções e esclerose múltipla

  • Inflamação do nervo óptico (neurite óptica)

O cérebro não consegue interpretar as informações enviadas pelo olho.

  • Doenças que afetam as áreas do cérebro que interpretam os impulsos visuais (córtex visual), como AVC e tumores

Tabela
icon

Algumas causas e características da perda súbita da visão

Causa

Características comuns*

Diagnóstico †

Perda súbita de visão sem dor ocular

Perda de visão súbita e breve em um olho resultante de um ataque isquêmico transitório (chamado amaurose fugaz)

Cegueira em um olho durando minutos a horas

Algumas vezes RM ou TC

Ultrassonografia das artérias carótidas

Ecocardiograma (ultrassom do coração)

ECG

Monitoramento contínuo do ritmo cardíaco

Obstrução de uma importante artéria da retina (artéria que leva sangue para a retina)

Completa perda de visão em um dos olhos, quase que instantaneamente

Em pessoas com fatores de risco para aterosclerose (como pressão alta, nível anormal de lipídios séricos ou condição de fumante)

Medição de VHS (um exame de sangue), proteína C-reativa e plaquetas

Algumas vezes RM ou TC

Ultrassonografia das artérias carótidas

Ecocardiograma (ultrassom do coração)

ECG

Monitoramento contínuo do ritmo cardíaco (monitor Holter)

Obstrução da veia central da retina (veia que retira sangue da retina)

Em pessoas com fatores de risco para essa doença (como diabetes, pressão alta, tendência para sangramento ou coágulos excessivos, ou doença falciforme)

Exame médico

Hemorragia vítrea (sangramento no humor vítreo - substância gelatinosa que preenche o fundo do olho)

Em pessoas que têm manchas, fios ou teias de aranha no campo de visão (moscas volantes) ou que têm fatores de risco para hemorragia vítrea (como diabetes, laceração da retina, doença falciforme ou uma lesão ocular)

Em geral perda total do campo de visão (não apenas em um ou mais pontos)

Exame por um oftalmologista

Algumas vezes, ultrassonografia da retina

Arterite por células gigantes (temporal) (inflamação das grandes artérias da cabeça, pescoço e tronco superior), que pode obstruir o fluxo sanguíneo para o nervo óptico

Pode ocorrer dor de cabeça, dor ao pentear o cabelo, ou dor mandibular ou na língua ao mastigar

Pode ocorrer dor e rigidez nos músculos grandes dos braços e pernas (polimialgia reumática)

Medição de VHS, proteína C-reativa e plaquetas

Biópsia da artéria temporal

Neuropatia óptica isquêmica (lesão do nervo óptico devido a uma obstrução do suprimento de sangue)

Em pessoas com fatores de risco para essa doença (como diabetes ou pressão alta) ou em pessoas que tiveram um episódio de pressão muito baixa, o que leva muitas vezes ao desmaio

Exame médico

Medição de VHS, proteína C-reativa e plaquetas

Algumas vezes, biópsia da artéria temporal

Algumas vezes, doppler da artéria carótida (ultrassom das veias do pescoço) e ecocardiograma (ultrassom do coração)

Hemorragia macular (sangramento em torno da mácula—a parte mais sensível da retina) resultante da degeneração macular devido à idade

Quase sempre em pessoas com degeneração macular relacionada à idade ou em pessoas com fatores de risco para doenças dos vasos sanguíneos (como pressão alta, nível anormal de lipídios ou condição de fumante)

Exame médico

Enxaqueca ocular (enxaqueca que afeta a visão)

Pontos brilhantes, manchas irregulares que se movem vagarosamente pelo campo de visão de um olho por cerca de 10 a 20 minutos

Algumas vezes embaçamento da visão central (para onde uma pessoa olha diretamente)

Outras vezes uma dor de cabeça após uma perturbação na visão

Em geral em pessoas jovens ou naquelas que têm enxaqueca

Exame médico

Flashes luminosos espontâneos e súbitos que podem parecer raios, manchas ou estrelas (fotopsias) que ocorrem repetidamente

Perda de visão que afeta uma área, em geral o que é visto pelos cantos do olho (visão periférica)

Perda de visão que se espalha pelo campo de visão como uma névoa

Algumas vezes em pessoas com fatores de risco para descolamento de retina (como recente lesão ocular, cirurgia ocular ou miopia grave)

Exame médico

Em geral perda das mesmas partes do campo de visão em ambos os olhos

Em pessoas com fatores de risco para essas doenças (como pressão alta, aterosclerose, diabetes, nível anormal de lipídios ou condição de fumante)

Pode ocorrer fala incompreensível, movimento dos olhos comprometido, fraqueza muscular e/ou dificuldade de caminhar

Algumas vezes RM ou TC

ECG

Ultrassonografia das artérias carótidas

Ecocardiograma (ultrassom do coração)

Monitoramento contínuo do ritmo cardíaco

Perda súbita da visão com dor ocular

Dor no olho intensa e vermelhidão

Dor de cabeça, náusea, vômito e sensibilidade à luz

Perturbações na visão como halos em torno das luzes

Aferição da pressão intraocular (tonometria)

Exame dos canais de drenagem do olho com lentes especiais (gonioscópio), realizado por um oftalmologista

Ulceração da córnea (geralmente causada por infecção bacteriana ou viral)

Quase sempre uma mancha acinzentada na córnea que depois se torna uma ferida aberta e dolorosa

Dor no olho ou sensação de objeto (corpo) estranho

Vermelhidão do olho e lacrimejamento

Sensibilidade à luz

Pode ocorrer em pessoas que apresentam uma infecção após uma lesão no olho ou que dormiram com a lente de contato

Exame médico

Cultura de uma amostra da úlcera retirada por um oftalmologista

Neurite óptica (inflamação do nervo óptico), que pode estar relacionada à esclerose múltipla

Em geral dor leve que pode piorar ao movimentar os olhos

Perda da visão parcial ou completa

Pálpebras e córnea com aparência normal

Quase sempre RM

* As características incluem os sintomas e os resultados do exame médico. As características mencionadas são típicas, mas nem sempre estão presentes.

† Embora um exame médico seja sempre realizado, ele só é mencionado nesta coluna se o diagnóstico puder ser feito, algumas vezes, somente pelo exame médico por si só, sem qualquer outro exame. Em outras palavras, exames adicionais podem não ser necessários.

TC = tomografia computadorizada; ECG = eletrocardiograma; VHS = velocidade de hemossedimentação; RM = ressonância magnética.

Avaliação

A perda súbita da visão é uma emergência. A maioria das causas são sérias.

Quando consultar um médico

Todas as pessoas que passam por perda súbita da visão devem procurar um oftalmologista (médico especializado na avaliação e tratamento—cirúrgico e não cirúrgico—de doenças oculares) ou procurar imediatamente um pronto-socorro.

O que o médico faz

Primeiro, o médico faz perguntas sobre os sintomas e o histórico médico. Em seguida, o médico faz um exame físico. O que eles identificam no histórico e exame físico frequentemente sugere uma causa e o exames que podem ser necessários (consulte a tabela Perda súbita da visão).

Os médicos pedem que o paciente descreva quando ocorreu a perda de visão, há quanto tempo isso vem ocorrendo e se tem piorado. Também perguntam se a perda de visão afeta um ou os dois olhos e se a perda de visão é total ou se afeta somente uma parte específica do campo de visão. Podem ser feitas perguntas sobre outros sintomas visuais, como moscas volantes, flashes luminosos, halos em torno de luzes, visão distorcida das cores, padrões irregulares ou em mosaicos, ou dor ocular. Os médicos perguntam sobre sintomas que não estão relacionados aos olhos e fatores de risco para doenças que possam causar problemas oculares.

O exame físico se concentra principalmente nos olhos, mas os médicos também podem realizar um exame físico geral incluindo, por exemplo, exame da pele e do sistema nervoso.

Para o exame do olho, primeiro os médicos verificam a nitidez da visão (acuidade visual), em geral por meio da leitura da tabela de letras, começando com um olho coberto e depois com ambos descobertos. Os médicos verificam como a pupila se contrai em resposta à luz e como os olhos conseguem seguir um objeto em movimento. Pode ser verificada a visão em cores. O médico examina os olhos e pálpebras com uma lâmpada de fenda (instrumento que permite examinar o olho em alta resolução) e mede a pressão intraocular. O oftalmologista, após pingar um colírio para dilatar a pupila, examina atentamente a retina com uma lâmpada de fenda ou com uma luz que sai de uma lâmpada em um dispositivo na cabeça através de um instrumento portátil.

Exames

A presença ou ausência de dor ajuda a diminuir consideravelmente a lista de possíveis causas de perda súbita da visão (consulte a tabela Perda súbita da visão). Se a visão voltar rapidamente por si só, a crise isquêmica temporária e a enxaqueca ocular estão entre as possíveis causas.

Os achados durante o exame do olho quase sempre dão informações suficientes para o médico diagnosticar a causa da perda de visão. No entanto, podem ser necessários outros exames, dependendo de quais doenças são suspeitas. Os exames a seguir são de especial importância:

  • É realizada a ultrassonografia se a retina não estiver claramente visível durante o exame com o oftalmoscópio.

  • A RM aprimorada pelo gadolínio é pedida para algumas pessoas com dor ocular e alguns outros sintomas, e quando é observado edema do nervo óptico durante o exame do olho.

  • São algumas vezes medidos os níveis de velocidade de hemossedimentação (VHS) e proteína C-reativa (exame de sangue que indiretamente mede a inflamação no organismo), assim como o número de plaquetas no sangue (contagem de plaquetas), particularmente em pessoas com mais de 50 anos que têm dor de cabeça.

Tratamento

  • Tratamento da causa

A doença que causa a perda de visão é tratada o mais rápido possível, embora o tratamento possa não ser capaz de salvar ou recuperar a visão. No entanto, o tratamento imediato pode reduzir o risco de o mesmo processo atingir o outro olho.

Destaque para Idosos: Perda de visão em pessoas idosas

Mais comumente, a perda de visão entre os idosos é devido à opacidade do cristalino do olho (catarata) ou à uma lesão no nervo óptico (como em caso de glaucoma) ou na retina (como na degeneração macular relacionada à idade e à retinopatia diabética). Uma causa menos comum de perda de visão é a obstrução do suprimento de sangue para o olho. Doenças da pálpebra alteram principalmente a aparência do olho e nem sempre causam perda de visão, mas podem causar incômodo. A queda acentuada das pálpebras também pode afetar a visão.

Seja qual for o motivo de perda de visão, toda alteração de visão pode comprometer a qualidade de vida de uma pessoa com mais idade e, indiretamente, a saúde. Por exemplo, a má visão pode ser a causa de um acidente de carro ou de uma queda. A perda de visão pode ser especialmente devastadora para idosos que também lidam com outros problemas, como falta de equilíbrio e perda de audição. Em tais casos, a perda de visão pode contribuir para uma lesão significativa e pode dificultar a capacidade de se realizar as atividades diárias.

Pontos-chave

  • A perda súbita da visão é uma emergência, por isso as pessoas devem procurar um hospital imediatamente.

  • A presença ou ausência de dor ajuda a determinar quais as causas mais prováveis.

  • Se a visão voltar rapidamente por si só, a crise isquêmica temporária e a enxaqueca ocular estão entre as possíveis causas.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Glaucoma
Vídeo
Glaucoma
No interior do olho existem duas câmaras cheias de líquido. O fluido intraocular, ou fluido...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Catarata
Modelo 3D
Catarata

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS