Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Trombocitemia secundária

(trombocitose reativa)

Por

Jane Liesveld

, MD, James P. Wilmot Cancer Institute, University of Rochester Medical Center

Última revisão/alteração completa set 2020| Última modificação do conteúdo set 2020
Clique aqui para a versão para profissionais

A trombocitemia secundária é o excesso de plaquetas na corrente sanguínea que se desenvolve como resultado de outro distúrbio e raramente leva ao excesso de coagulação sanguínea ou sangramento.

As plaquetas (trombócitos) são partículas sanguíneas semelhantes a células que ajudam o organismo na formação de coágulos de sangue. As plaquetas são normalmente produzidas na medula óssea por células denominadas megacariócitos. Na trombocitemia, o corpo produz excesso de plaquetas. A trombocitemia pode ser

  • Primária (essencial): causada por um distúrbio de células formadoras de plaquetas (consulte trombocitemia essencial)

  • Secundária: causada por um distúrbio que desencadeia o aumento de produção por células formadoras de plaquetas normais

Quando a trombocitemia é causada por um distúrbio subjacente, ela é chamada trombocitemia secundária (ou trombocitose reativa) e não é classificada como uma neoplasia mieloproliferativa.

As causas de trombocitemia secundária incluem

Pessoas com trombocitemia secundária geralmente não apresentam sintomas relacionados ao número elevado de plaquetas (ao contrário de pessoas com trombocitemia). Os sintomas do quadro subjacente em geral dominam.

Embora um aumento do número de plaquetas possa ser considerado a causa da coagulação sanguínea excessiva, isso raramente acontece na trombocitemia secundária, a menos que as pessoas também tenham doença arterial grave ou imobilidade prolongada. Embora algumas pessoas com trombocitemia essencial tenham um risco maior de sangramento, esta não é uma preocupação na trombocitemia secundária.

A trombocitemia secundária é diagnosticada (e distinguida da trombocitemia primária) quando pessoas com contagens elevadas de plaquetas apresentam um quadro clínico que imediatamente explica o número elevado de plaquetas.

Para identificar as possíveis causas, os médicos realizam exames de sangue, às vezes testes genéticos e, ocasionalmente, uma biópsia de medula óssea. Outros exames, como exames radiológicos, podem ser necessários para determinar a causa da elevação de plaquetas.

O tratamento é direcionado à causa da elevação de plaquetas. Se o tratamento for eficaz, o número de plaquetas voltará aos valores normais.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS

Teste os seus conhecimentos

Anemia aplásica
Anemia aplásica é um distúrbio no qual as células da medula óssea que se desenvolvem em células sanguíneas maduras se tornam danificadas. As células danificadas da medula óssea podem resultar em um baixo número de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e/ou plaquetas. Quando não é possível diagnosticar a causa da anemia aplásica, qual dos seguintes é a causa provável?
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
PRINCIPAIS