Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Eritrocitose

(Policitemia secundária)

Por

Jane Liesveld

, MD, James P. Wilmot Cancer Institute, University of Rochester Medical Center

Última revisão/alteração completa set 2020| Última modificação do conteúdo set 2020
Clique aqui para a versão para profissionais

Eritrocitose é o aumento da produção de glóbulos vermelhos (eritrócitos).

A eritrocitose pode ser

A eritrocitose secundária desenvolve-se em decorrência de um distúrbio que aumenta a secreção de eritropoietina. A eritropoietina é um hormônio produzido nos rins, que estimula a medula óssea a produzir glóbulos vermelhos. Dessa forma, a eritrocitose secundária não é considerada uma neoplasia mieloproliferativa. Entretanto, é importante que os médicos a detectem, pois tanto a eritrocitose primária como secundária resultam em excesso de glóbulos vermelhos.

A eritrocitose secundária tem muitas causas. Ela pode ser causada por privação de oxigênio, que pode resultar, por exemplo, de

A privação de oxigênio causa um aumento de eritropoietina, e esta estimula a medula óssea a produzir mais glóbulos vermelhos para que o sangue possa transportar mais oxigênio. Pessoas que passam longos períodos em ambientes ou sob circunstâncias de oxigênio reduzido, como as que vivem em altitudes elevadas, muitas vezes desenvolvem eritrocitose grave o suficiente para causar sintomas (consulte O que é a doença crônica das montanhas? O que é a doença crônica das montanhas? A doença da altitude ocorre por falta de oxigênio a grandes altitudes. Os sintomas incluem dor de cabeça, cansaço, náusea ou perda de apetite, irritabilidade e, em casos mais sérios, falta de... leia mais ). Em alguns defeitos congênitos do coração Considerações gerais sobre defeitos cardíacos Cerca de um em cada 100 bebês nasce com um defeito no coração. Alguns são graves, mas muitos não são. Esses defeitos podem envolver formação anômala das paredes ou válvulas do coração ou nos... leia mais , o sangue é direcionado erroneamente para fora do coração, de modo que este não consegue coletar oxigênio, causando hipóxia ao nascimento e resultando em eritrocitose secundária.

Outras causas de eritrocitose secundária incluem

  • Tratamento com hormônios masculinos, como testosterona

  • Problemas renais, incluindo tumores, cistos e estreitamento das artérias que vão para os rins

  • Tumores do fígado, do cérebro ou da glândula adrenal

  • Distúrbios genéticos que afetam a produção de eritropoietina (eritrocitose congênita)

Hormônios masculinos, como a testosterona, estimulam a produção de eritropoietina

Problemas que diminuem o fluxo sanguíneo para os rins, como tumores, cistos e estreitamento das artérias que vão para os rins aumentam a secreção de eritropoietina.

A eritrocitose associada a tumor pode ocorrer quando alguns tipos de tumores ou cistos, como os dos rins, fígado, cérebro ou útero secretam eritropoietina.

A eritrocitose congênita está presente ao nascimento e é geralmente causada por um distúrbio genético hereditário que afeta a afinidade da hemoglobina por oxigênio ou a resposta à hipóxia. (A hemoglobina é a molécula que transporta oxigênio nos glóbulos vermelhos. A hipoxia ocorre quando o nível de oxigênio no sangue está baixo.) Esses distúrbios genéticos hereditários são raros, mas suspeita-se deles quando uma pessoa com eritrocitose tem membros da família que também foram afetados.

Na eritrocitose relativa, não há glóbulos vermelhos a mais, mas eles parecem estar em uma concentração elevada porque há menos líquido (plasma) na corrente sanguínea. A diminuição do nível de plasma pode resultar de queimaduras, vômitos, diarreia, ingestão inadequada de líquidos e da utilização de medicamentos que aceleram a eliminação de sal e de água pelos rins (diuréticos)

Sintomas de eritrocitose

Pessoas com eritrocitose secundária podem manifestar

  • Fraqueza

  • Cansaço

  • Dor de cabeça

  • Tonturas

  • Falta de ar

Diagnóstico de eritrocitose

  • Exames de sangue

  • Exames para determinar a causa

Os médicos perguntam sobre quaisquer medicamentos que possam causar eritrocitose. Eles medem o volume de oxigênio e o nível de eritropoietina no sangue. Um nível elevado de eritropoietina muitas vezes já é suficiente para os médicos diagnosticarem eritrocitose secundária. Se o nível for reduzido, serão realizados outros exames para detectar eritrocitose primária (policitemia vera Policitemia vera A policitemia vera é uma neoplasia mieloproliferativa das células produtoras de sangue da medula óssea que resulta na superprodução de todos os tipos de células sanguíneas. A policitemia vera... leia mais ).

Às vezes são realizados outros exames especializados, sobretudo quando os médicos precisarem determinar uma causa incomum da eritrocitose. Esses podem incluir testes para detectar um distúrbio hormonal ou um tumor oculto que possa estar causando outros sintomas.

A eritrocitose congênita costuma ser diagnosticada quando a pessoa desenvolve sintomas em idade precoce ou tem familiares que também apresentam eritrocitose. Além de exames de sangue, os médicos podem valer-se de testes genéticos para determinar a causa específica.

Tratamento de eritrocitose

  • Tratamento da causa

  • Flebotomia

A eritrocitose secundária causada por privação de oxigênio pode ser tratada com oxigênio. Os fumantes são aconselhados a parar de fumar e são oferecidos tratamentos para ajudar a parar Cessação do tabagismo Embora frequentemente seja algo muito desafiador, parar de fumar é uma das coisas mais importantes que os fumantes podem fazer a favor de sua saúde. Parar de fumar traz benefícios para a saúde... leia mais . Qualquer distúrbio subjacente que esteja causando a privação de oxigênio e a eritrocitose secundária é tratado da forma mais eficaz possível. Em algumas pessoas, é utilizada flebotomia (procedimento em que certa quantidade de sangue da pessoa é retirada) para reduzir o número de glóbulos vermelhos. É raro ter que recorrer à flebotomia na eritrocitose secundária.

Na eritrocitose associada a tumor, a extração do tumor pode ser curativa. Tratar um distúrbio hormonal específico ou descontinuar um medicamento que possa causar a eritrocitose secundária também pode ser curativo.

A eritrocitose relativa é tratada com a administração de líquidos por via oral ou intravenosa e pela correção de qualquer quadro clínico subjacente que esteja contribuindo para a diminuição do nível de plasma.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS

Teste os seus conhecimentos

Anemia aplásica
Anemia aplásica é um distúrbio no qual as células da medula óssea que se desenvolvem em células sanguíneas maduras se tornam danificadas. As células danificadas da medula óssea podem resultar em um baixo número de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e/ou plaquetas. Quando não é possível diagnosticar a causa da anemia aplásica, qual dos seguintes é a causa provável?
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS

Também de interesse

Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
Baixe o aplicativo  do Manual MSD! ANDROID iOS
PRINCIPAIS