Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Componentes do sangue

Por

Ravindra Sarode

, MD, The University of Texas Southwestern Medical Center

Última revisão/alteração completa jan 2018| Última modificação do conteúdo jan 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

Os principais componentes do sangue incluem:

  • Plasma

  • Glóbulos vermelhos

  • Glóbulos brancos

  • Plaquetas

Plasma

O plasma é o componente líquido do sangue no qual os glóbulos vermelhos, os glóbulos brancos e as plaquetas estão suspensos. Ele constitui mais da metade do volume do sangue e é composto, principalmente, por sais (eletrólitos) e proteínas dissolvidos em água. A principal proteína do plasma é a albumina. A albumina ajuda a evitar que líquidos exsudem para o exterior dos vasos sanguíneos e penetrem nos tecidos, e ela se liga a substâncias e as transporta, tais como hormônios e certos medicamentos. Outras proteínas do plasma incluem os anticorpos (imunoglobulinas), que defendem ativamente o corpo contra vírus, bactérias, fungos e células cancerosas. O plasma também inclui fatores de coagulação, que controlam hemorragias.

O plasma tem outras funções. Ele atua como um reservatório que pode tanto repor água como absorver o excesso de água dos tecidos. Quando os tecidos do corpo carecem de líquidos adicionais, a água do plasma é o primeiro recurso utilizado para atender essa necessidade. O plasma também impede que os vasos sanguíneos colapsem ou fiquem obstruídos e ajuda a manter a pressão arterial e a circulação por todo o corpo enchendo os vasos sanguíneos e fluindo constantemente através deles. A circulação do plasma atua na regulação da temperatura corporal transportando calor gerado em tecidos corporais centrais através de áreas que perdem calor mais rapidamente, tais como os braços, as pernas e a cabeça.

Glóbulos vermelhos

Os glóbulos vermelhos (também chamados eritrócitos) compõem cerca de 40% do volume do sangue. Os glóbulos vermelhos contêm hemoglobina, uma proteína que confere a cor vermelha ao sangue e que permite a este transportar oxigênio dos pulmões a todos os tecidos corporais. Oxigênio é utilizado pelas células na produção da energia de que o corpo necessita, o que origina dióxido de carbono como produto residual. Os glóbulos vermelhos transportam o dióxido de carbono dos tecidos de volta para os pulmões. Quando o número de glóbulos vermelhos é demasiadamente baixo (anemia), o sangue transporta menos oxigênio, provocando fadiga e fraqueza. Quando o número de glóbulos vermelhos é elevado demais (eritrocitose, como na policitemia vera), o sangue pode se tornar muito espesso, fazendo com que a sua coagulação aconteça mais facilmente e elevando o risco de infartos do miocárdio e acidentes vasculares cerebrais.

Glóbulos brancos

Os glóbulos brancos (também denominados leucócitos) existem em menor quantidade do que os glóbulos vermelhos, numa proporção aproximada de um glóbulo branco para cada 600 a 700 glóbulos vermelhos. Os glóbulos brancos são responsáveis, sobretudo, pela defesa do corpo contra infecções. Existem cinco tipos principais de glóbulos brancos.

Os neutrófilos são o tipo mais numeroso, e servem para ajudar a proteger o corpo contra infecções, seja matando e ingerindo bactérias e fungos ou ingerindo resíduos estranhos.

Os linfócitos consistem em três tipos principais: As células T (linfócitos T) e as células natural killer, que ajudam na defesa contra infecções virais e que também podem detectar e destruir algumas células cancerosas, e as células B (linfócitos B), que se transformam em células que produzem anticorpos.

Os monócitos ingerem as células mortas ou danificadas e ajudam na defesa contra muitos organismos infecciosos.

Os eosinófilos matam parasitas, destroem células cancerosas e estão envolvidos nas reações alérgicas.

Os basófilos também participam das reações alérgicas.

Alguns glóbulos brancos fluem livremente pela corrente sanguínea, mas muitos outros aderem às paredes dos vasos sanguíneos ou até as atravessam para entrar em outros tecidos. Quando os glóbulos brancos chegam ao local de uma infecção ou quando detectam outro problema, liberam substâncias que atraem mais glóbulos brancos. Os glóbulos brancos funcionam como um exército: estão dispersos por todo o corpo, mas prontos para se agrupar a qualquer momento e lutar contra qualquer organismo invasor. Os glóbulos brancos realizam essa tarefa circundando e digerindo organismos e produzindo anticorpos que aderem a esses organismos, para que possam ser mais facilmente destruídos.

Quando o número de glóbulos brancos é demasiadamente baixo (leucopenia), infecções se tornam mais prováveis. Um número de glóbulos brancos mais elevado do que o normal (leucocitose) pode não causar sintomas diretamente, mas pode ser o indício de um distúrbio subjacente, como uma infecção, processo inflamatório ou leucemia.

Plaquetas

As plaquetas (também chamadas trombócitos) são partículas semelhantes a células, menores dos que os glóbulos vermelhos ou brancos. As plaquetas existem em menor número do que os glóbulos vermelhos, numa proporção de cerca de uma plaqueta para cada vinte glóbulos vermelhos. As plaquetas atuam no processo de coagulação reunindo-se no local da hemorragia e se aglutinando, de maneira a formar um tampão que ajuda a vedar o vaso sanguíneo. Ao mesmo tempo, elas liberam substâncias que favorecem a coagulação. Quando a quantidade de plaquetas é demasiadamente baixa (trombocitopenia), hematomas e hemorragias anormais se tornam mais prováveis. Quando a quantidade de plaquetas é demasiadamente elevada (trombocitemia), o sangue pode coagular de maneira excessiva causando um ataque isquêmico transitório. Quando a quantidade de plaquetas é extremamente elevada, elas podem absorver as proteínas de coagulação e, paradoxalmente, causar hemorragias.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Leucemia linfocítica crônica
Vídeo
Leucemia linfocítica crônica
Dentro da área oca dos ossos, há um núcleo esponjoso chamado medula óssea. É aqui onde as...
Considerações gerais sobre o sangue
Vídeo
Considerações gerais sobre o sangue

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS