Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

honeypot link

Câncer de intestino delgado

(Cancer of the Small Intestine)

Por

Minhhuyen Nguyen

, MD, Fox Chase Cancer Center, Temple University

Última revisão/alteração completa jul 2019| Última modificação do conteúdo jul 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
  • Sangue nas fezes é um sintoma comum, mas o câncer pode ocasionalmente bloquear o intestino, causando fortes cólicas abdominais e vômitos.

  • O diagnóstico toma por base o resultado de várias técnicas de visualização intestinal, incluindo enteróclise, endoscopia e radiografia com ingestão de bário.

  • A remoção cirúrgica é a forma ideal de tratamento.

Tumores cancerosos (malignos) no intestino delgado são muito raros, ocorrendo em aproximadamente 10.470 pessoas nos Estados Unidos por ano. O adenocarcinoma é o tipo mais frequente de câncer do intestino delgado. Os adenocarcinomas desenvolvem-se nas células do revestimento do intestino delgado. Pessoas que sofrem da doença de Crohn do intestino delgado são mais propensas ao desenvolvimento de adenocarcinomas do que as demais.

Tipos raros de câncer do intestino delgado

Os tumores carcinoides podem se desenvolver nas células do epitélio glandular que revestem o intestino delgado. Os tumores carcinoides geralmente secretam hormônios que causam diarreia e rubor facial. Ocasionalmente, a quimioterapia e outros tipos de medicamentos são eficazes no controle dos sintomas causados pelos tumores carcinoides.

O linfoma (câncer do sistema linfático) pode ocorrer na porção média (jejuno) ou na porção inferior (íleo) do intestino delgado. O linfoma pode enrijecer ou alongar um segmento do intestino. Esse câncer é mais comum em portadores de doença celíaca sem tratamento. A quimioterapia e a radioterapia podem ajudar a controlar os sintomas e, ocasionalmente, aumentam a sobrevida.

O leiomiossarcoma (câncer das células do músculo liso) pode se desenvolver na parede do intestino delgado. A quimioterapia pode prolongar um pouco a sobrevida após a cirurgia de extração dos leiomiossarcomas.

O sarcoma de Kaposi é um tipo de câncer de pele que pode afetar os órgãos internos e ocasionalmente ocorre em pessoas com AIDS devido à infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). O sarcoma de Kaposi pode ocorrer em qualquer local do trato digestivo, mas ele geralmente ocorre no estômago, intestino delgado ou no cólon. Esse tipo de câncer geralmente não causa sintomas no trato digestivo, porém é possível a ocorrência de hemorragia, diarreia e intussuscepção (um segmento do intestino desliza para dentro de outro, como se fosse um telescópio). O tratamento do sarcoma de Kaposi depende da localização do câncer, mas pode incluir cirurgia, quimioterapia e radioterapia.

Sintomas

O adenocarcinoma pode causar hemorragia intestinal evidenciada por sangue nas fezes, obstrução intestinal que pode causar cólicas, expansão (distensão) abdominal e vômitos. Às vezes, o câncer do intestino delgado causa intussuscepção.

Diagnóstico

  • Enteróclise

  • Endoscopia

  • Exame de cápsula endoscópica

Uma enteróclise é geralmente realizada. Neste procedimento, é inserida grande quantidade de uma solução de bário por um tubo nasal e são tiradas radiografias, à medida que o bário se move pelo trato digestivo. Este procedimento é ocasionalmente feito em conjunto com uma tomografia computadorizada (TC) em vez de radiografias simples, pois nesse caso a pessoa pode apenas ingerir o líquido contendo bário sem precisar da instalação do tubo nasal.

O médico pode utilizar um endoscópio (um tubo flexível de visualização — {blank} Endoscopia) introduzido por via oral até o duodeno e parte do jejuno (a seção intermediária e anterior do intestino delgado), para localizar o tumor e realizar uma biópsia (extração de amostra de tecido para análise ao microscópio). O médico pode, ocasionalmente, visualizar tumores do íleo (segmento distal do intestino delgado) pela introdução de um colonoscópio (endoscópio usado para examinar a parte inferior do trato digestivo) por via anal, através de todo o intestino grosso até atingir o íleo.

Uma cápsula sem fio, alimentada a bateria, que contém uma ou duas câmeras pequenas (exame de cápsula endoscópica) pode ser utilizada para mostrar imagens de tumores do intestino delgado.

Ocasionalmente, é necessária uma cirúrgica exploratória para identificação de tumores no intestino delgado.

Tratamento

  • Remoção cirúrgica

O melhor tratamento para a maioria dos tumores cancerosos no intestino delgado é a remoção cirúrgica do tumor.

Se o médico conseguir visualizar o tumor durante a endoscopia, ele pode também removê-lo por meio da aplicação de corrente elétrica (eletrocauterização), calor (obliteração térmica) ou de um feixe de luz de alta energia no tumor (fototerapia com laser).

A quimioterapia e a radioterapia pós-cirúrgicas não aumentam a sobrevida.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS