Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Transtorno de personalidade paranoide

Por

Andrew Skodol

, MD, University of Arizona College of Medicine

Última revisão/alteração completa jan 2020| Última modificação do conteúdo jan 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

O transtorno de personalidade paranoide é caracterizado por um padrão generalizado de desconfiança e suspeita injustificadas dos outros que engloba interpretar seus motivos como sendo hostis ou prejudiciais.

  • Uma vez que a pessoa com transtorno de personalidade paranoide suspeita que outras pessoas estão planejando explorá-la, enganá-la ou prejudicá-la, ela está sempre atenta a possíveis insultos, ofensas ou ameaças.

  • O médico diagnostica o transtorno de personalidade paranoide tomando por base sintomas específicos, incluindo desconfiança e suspeita em muitos aspectos da vida.

  • Nenhum tratamento é eficaz, mas terapia cognitivo-comportamental pode ser tentada e medicamentos podem aliviar alguns sintomas.

Os transtornos de personalidade são padrões persistentes e generalizados no modo de pensar, perceber, reagir e se relacionar que causam sofrimento significativo à pessoa e/ou prejudicam sua capacidade funcional.

A pessoa com transtorno de personalidade paranoide desconfia dos outros e supõe que os outros pretendem prejudicá-la ou enganá-la, mesmo quando ela tem nenhuma ou pouca justificativa para ter esses sentimentos.

O transtorno de personalidade paranoide ocorre em aproximadamente 2% a mais de 4% da população geral dos Estados Unidos. Ele é considerado mais comum em homens. Há alguma evidência de que o transtorno de personalidade paranoide é um mal de família. Abuso emocional e/ou físico e vitimização durante a infância podem contribuir para o desenvolvimento desse transtorno.

Com frequência, outros transtornos ocorrem concomitantemente. Por exemplo, a pessoa com transtorno de personalidade paranoide pode ter também um ou mais dos transtornos a seguir:

Sintomas

A pessoa com transtorno de personalidade paranoide suspeita que os outros estão planejando explorá-la, enganá-la ou prejudicá-la. Ela acha que pode ser atacada em qualquer momento e sem nenhum motivo. Embora a pessoa tenha nenhuma ou pouca evidência, ela insiste em manter suas suspeitas e pensamentos.

Interpretação de experiências como sendo hostis

A pessoa com transtorno de personalidade paranoide com frequência pensa que os outros a prejudicaram de modo significativo e irreversível. Ela fica atenta quanto a possíveis insultos, ofensas, ameaças e deslealdade e procura significados ocultos em comentários e ações. Ela examina atentamente as outras pessoas em busca de evidência para dar respaldo às suas suspeitas. Por exemplo, ela pode interpretar incorretamente uma oferta de ajuda como uma implicação de que ela é incapaz de fazer a tarefa por conta própria. Se ela acha que foi insultada ou prejudicada de alguma forma, ela não perdoa a pessoa que a prejudicou. Ela tende a contra-atacar ou ficar com raiva em resposta a essas ofensas percebidas. Uma vez que a pessoa desconfia dos outros, ela sente uma necessidade de ser autônoma e estar no controle.

Efeito nos relacionamentos

A pessoa com transtorno de personalidade paranoide hesita em confiar ou desenvolver relacionamentos íntimos com os outros, porque teme que as informações possam ser usadas contra ela. Ela duvida da lealdade de amigos e da fidelidade de cônjuges ou parceiros. Ela pode ser extremamente ciumenta e pode questionar constantemente as atividades e os motivos do cônjuge ou parceiro na tentativa de justificar seu ciúme.

Assim, pode ser difícil conviver com uma pessoa que tem transtorno de personalidade paranoide. Quando os outros reagem de modo negativo à pessoa, ela considera essas reações como sendo confirmação de suas suspeitas iniciais.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico com base em critérios específicos

Normalmente, o médico diagnostica os transtornos de personalidade tomando por base os critérios no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders), Quinta Edição (DSM-5), publicado pela Associação Americana de Psiquiatria.

Para que o médico diagnostique a pessoa com transtorno de personalidade paranoide, ela precisa persistentemente ter desconfiança e suspeita dos outros, indicado por no mínimo quatro dos itens a seguir:

  • Suspeita injustificada de que outras pessoas a estão explorando, prejudicando ou enganando.

  • Preocupação com dúvidas injustificadas sobre a confiabilidade de seus amigos e colegas de trabalho.

  • Relutância em confiar nos outros, temendo que as informações sejam usadas contra ela.

  • Interpretar erroneamente comentários ou eventos inocentes como tendo um significado oculto depreciador, hostil ou ameaçador.

  • Reter rancores quando acredita ter sido insultada, prejudicada ou ofendida.

  • Propensão em acreditar que seu caráter ou reputação foi atacado e rapidez em reagir com raiva ou contra-atacar.

  • Suspeitas injustificadas e recorrentes de que o cônjuge ou parceiro é infiel, embora não tenha motivo suficiente para suspeitar da infidelidade.

Além disso, o início dos sintomas precisa ter ocorrido no começo da idade adulta.

Tratamento

  • Terapia cognitivo-comportamental

O tratamento geral do transtorno de personalidade paranoide é o mesmo que o de todos os transtornos de personalidade.

Uma vez que a pessoa com transtorno de personalidade paranoide sente tanta suspeita e desconfiança, com frequência o médico tem dificuldade em estabelecer um relacionamento colaborador e mutuamente respeitoso com ela. Para ajudar a estabelecer um relacionamento e, com isso, incentivar a pessoa a participar do tratamento, o médico com frequência tenta reconhecer qualquer suspeita que tenha de fato alguma validade.

Nenhum tratamento para o transtorno de personalidade paranoide é eficaz. Contudo, se a pessoa estiver disposta a colaborar, a terapia cognitivo-comportamental pode ser útil.

É possível que sejam receitados medicamentos, como antidepressivos e antipsicóticos mais recentes (de segunda geração) para tratar sintomas específicos. Os antipsicóticos de segunda geração podem ajudar a reduzir a ansiedade e a paranoia.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS