Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Transtorno de personalidade esquiva

Por

Andrew Skodol

, MD, University of Arizona College of Medicine

Última revisão/alteração completa jan 2020| Última modificação do conteúdo jan 2020
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

O transtorno de personalidade esquiva é caracterizado pela esquiva de situações ou interações sociais que envolvam risco de rejeição, crítica ou humilhação.

  • A pessoa com transtorno de personalidade esquiva tem medo de ser rejeitada, criticada ou humilhada e, portanto, evita situações em que ela possa vivenciar tais reações.

  • O médico diagnostica o transtorno de personalidade esquiva tomando por base sintomas específicos, como evitar situações que englobam contato interpessoal devido ao medo de rejeição ou falta de aprovação ou sentir que é socialmente inepto, desagradável e inferior aos outros.

  • Pessoas com esse transtorno podem se beneficiar com terapia cognitivo‑comportamental, outros tipos de psicoterapia e medicamentos ansiolíticos e antidepressivos.

Os transtornos de personalidade são padrões persistentes e generalizados no modo de pensar, perceber, reagir e se relacionar que causam sofrimento significativo à pessoa e/ou prejudicam sua capacidade funcional.

A pessoa com transtorno de personalidade esquiva sente que é inadequada. A pessoa administra esses sentimentos ao evitar qualquer situação em que ela possa ser avaliada de maneira negativa.

O transtorno de personalidade esquiva ocorre em mais de 2% da população geral dos Estados Unidos. Ele afeta igualmente homens e mulheres.

Com frequência, outros transtornos ocorrem concomitantemente. Eles incluem um ou mais dos seguintes:

Pessoas com fobia social e transtorno de personalidade esquiva têm sintomas mais graves e incapacidade mais significativa que as que têm apenas um dos transtornos.

Causas

Fatores genéticos e ambientais podem contribuir para o desenvolvimento do transtorno de personalidade esquiva. Por exemplo, a pessoa pode sentir uma ansiedade inata em situações sociais e/ou é possível que ela vivencie rejeição e marginalização durante a infância. Esquiva em situações sociais foi detectada já em crianças com aproximadamente dois anos de idade.

Sintomas

Medo de rejeição

A pessoa com transtorno de personalidade esquiva evita interagir socialmente, incluindo no trabalho, porque ela teme que será criticada ou rejeitada ou não ser aprovada pelos outros. Por exemplo, é possível que ela:

  • Recuse uma promoção porque teme que os colegas de trabalho vão criticá-la.

  • Evite participar de reuniões.

  • Evite fazer novos amigos a menos que tenha certeza de que a pessoa vai gostar dela.

A pessoa com esse transtorno pressupõe que ela será criticada e desaprovada por outros até ter evidência clara e indiscutível provando o contrário. Assim, antes de ingressar em um grupo e formar um relacionamento íntimo, a pessoa com esse transtorno precisa receber repetidamente uma garantia de que ela terá apoio e será aceita sem crítica.

A pessoa com transtorno de personalidade esquiva reluta em falar sobre si mesma, porque teme ser ridicularizada ou humilhada.

A pessoa com esse transtorno sente muita relutância em assumir riscos ou participar de novas atividades por motivos semelhantes. Nesses casos, ela tende a exagerar os perigos e usar sintomas mínimos ou outros problemas para explicar sua falta de participação. É possível que ela prefira um estilo de vida limitado por causa de sua necessidade de segurança e certeza.

Sensibilidade extrema a críticas

A pessoa com transtorno de personalidade esquiva é muito sensível a qualquer coisa crítica, à falta de aprovação ou à ridicularização, porque pensa constantemente sobre ser criticada ou rejeitada por outros. A pessoa fica atenta a qualquer sinal de resposta negativa a ela. Sua aparência tensa e ansiosa pode provocar zombaria ou ridicularização, o que assim parece confirmar suas próprias dúvidas.

Outros sintomas

Baixa autoestima e um senso de inadequação inibem essas pessoas em situações sociais, especialmente as novas. A pessoa não se permite envolver completamente nas interações com novas pessoas, porque ela se considera socialmente inepta, desagradável e inferior aos outros. Ela tende a ser quieta e tímida, porque acha que se disser alguma coisa, os outros dirão que isso está errado.

A pessoa com transtorno de personalidade esquiva anseia por interação social, mas teme colocar seu bem-estar nas mãos dos outros. Uma vez que a pessoa com personalidade esquiva limita suas interações com outros, ela tende a ser relativamente isolada e não conta com uma rede social que poderia ajudá-la caso necessário.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico com base em critérios específicos

Normalmente, o médico diagnostica os transtornos de personalidade tomando por base os critérios no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders), Quinta Edição (DSM-5), publicado pela Associação Americana de Psiquiatria.

Para que o médico diagnostique a pessoa com transtorno de personalidade esquiva, ela precisa persistentemente sentir-se inadequada e ser hipersensível a críticas e rejeição, indicado por, no mínimo, quatro dos itens a seguir:

  • Evitar atividades relacionadas ao trabalho que envolvem contato interpessoal devido ao medo de críticas ou rejeição ou de falta de aprovação pelas pessoas.

  • Falta de vontade de envolver-se com as pessoas, a menos que a pessoa tenha certeza de que será querida.

  • Agir com reserva em relacionamentos íntimos devido ao medo de ridicularização ou humilhação.

  • Ter preocupação em ser criticado ou rejeitado em situações sociais.

  • Agir com inibição em novas situações sociais devido a uma sensação de inadequação.

  • Acreditar ser socialmente inepto, desagradável ou inferior aos outros.

  • Sentir relutância em assumir riscos pessoais ou participar de qualquer nova atividade devido à possibilidade de sentir-se constrangido.

Além disso, o início dos sintomas precisa ter ocorrido no começo da idade adulta.

Tratamento

  • Terapia cognitivo-comportamental que dá enfoque a habilidades sociais

  • Outros tipos de psicoterapia

  • Medicamentos ansiolíticos e antidepressivos

O tratamento geral do transtorno de personalidade esquiva é semelhante ao de todos os transtornos de personalidade.

A pessoa com transtorno de personalidade esquiva muitas vezes evita o tratamento.

Os seguintes tratamentos podem ser eficazes para pessoas tanto com fobia social como transtorno de personalidade esquiva:

  • Terapia cognitivo-comportamental em grupo, que dá enfoque à aquisição de habilidades sociais

  • Outras terapias em grupo se o grupo for formado por pessoas com as mesmas dificuldades

Pessoas com transtorno de personalidade esquiva se beneficiam de

  • Terapias individuais que oferecem apoio e são solidárias à hipersensibilidade da pessoa em ser rejeitada e criticada

Psicoterapia psicodinâmica pode ser útil. Esse tipo de psicoterapia dá enfoque aos conflitos primários.

Antidepressivos, como inibidores seletivos de recaptação da serotonina (ISRSs) e medicamentos ansiolíticos, podem ajudar a reduzir a ansiedade o suficiente para permitir que a pessoa se exponha a novas situações sociais.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS