Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Transtorno de comportamento repetitivo focado no corpo

Por

Katharine A. Phillips

, MD, Weill Cornell Medical College;


Dan J. Stein

, MD, PhD, University of Cape Town

Última revisão/alteração completa set 2018| Última modificação do conteúdo set 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

No transtorno do comportamento repetitivo focado no corpo, a pessoa repetidamente realiza atividades que envolvem o próprio corpo, como roer as unhas, morder o lábio ou a bochecha, e tenta repetidamente parar de realizar as atividades.

  • É possível que a pessoa com transtorno do comportamento repetitivo focado no corpo se sinta tensa ou ansiosa logo antes de fazê-lo, e cutucar ou morder partes do corpo pode aliviar essa sensação.

  • O médico diagnostica o transtorno quando a pessoa cutuca ou morde partes do corpo a ponto de causar lesões, tenta parar seu comportamento e não consegue, e seu comportamento lhe causa angústia significativa ou diminui sua capacidade funcional.

  • A terapia cognitivo-comportamental com foco específico no transtorno do comportamento repetitivo focado no corpo e determinados antidepressivos ou N-acetilcisteína podem ajudar a diminuir os sintomas.

O transtorno do comportamento repetitivo focado no corpo é parecido com o transtorno obsessivo-compulsivo. A pessoa com o transtorno de comportamento repetitivo focado no corpo cutuca, arranca ou puxa compulsivamente uma ou mais partes do corpo. A pessoa pode roer as unhas, morder o lábio ou a bochecha ou ficar cutucando as unhas.

Arrancar os cabelos/pelos e cutucar a pele também são comportamentos repetitivos focados no corpo, mas são classificados como transtornos distintos.

Sintomas

Algumas pessoas com transtorno do comportamento repetitivo focado no corpo realizam essas atividades de forma mais ou menos automática, sem pensar. Outras têm mais consciência da atividade.

A pessoa não realiza essas atividades, porque está obcecada ou preocupada com sua aparência (como é o caso do transtorno dismórfico corporal). No entanto, é possível que a pessoa se sinta tensa ou ansiosa logo antes de fazê-las, e o ato pode aliviar essa sensação. Depois disso, ela costuma se sentir gratificada. É possível que a pessoa também se sinta angustiada pela perda do controle e tente repetidamente parar de realizar a atividade ou fazê-la com menos frequência, mas não consegue.

Se a pessoa morder ou cutucar muito as unhas, é possível que elas fiquem deformadas. Sulcos e arestas podem se formar nas unhas ou é possível que ocorra um acúmulo de sangue embaixo da unha causando o surgimento de mancha negra arroxeada.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico com base em critérios diagnósticos específicos

O médico diagnostica o transtorno do comportamento repetitivo focado no corpo com base nos sintomas:

  • Cutucar ou de outra forma manipular uma parte do corpo, algumas vezes resultando em lesão

  • Tentar repetidamente parar ou diminuir a frequência da atividade

  • Sentir-se muito angustiado ou sofrer redução da função devido à atividade

Tratamento

  • Medicamentos

  • Terapia cognitivo-comportamental

O tratamento do transtorno do comportamento repetitivo focado no corpo pode incluir medicamentos, como os antidepressivos do tipo inibidor seletivo de recaptação da serotonina e N-acetilcisteína, e terapia cognitivo-comportamental.

A terapia cognitivo-comportamental com foco específico nesse transtorno pode diminuir os sintomas. Um exemplo é a terapia de reversão de hábito. Nessa terapia, a pessoa aprende a:

  • Ficar mais consciente do que está fazendo

  • Identificar situações que desencadeiam a atividade

  • Usar estratégias para ajudá-la a parar de realizar a atividade, por exemplo, substituindo a atividade por outra (por exemplo, cerrar os punhos, tricotar ou sentar-se sobre as mãos)

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS