Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Dermatite esfoliativa

(Eritrodermia)

Por

Mercedes E. Gonzalez

, MD, University of Miami Miller School of Medicine

Última revisão/alteração completa mar 2018| Última modificação do conteúdo mar 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

A dermatite esfoliativa é uma inflamação grave que afeta toda a superfície da pele causando vermelhidão, rachaduras e escamas, e faz com que a camada superior da pele se desprenda (esfolie).

Determinados medicamentos (em especial as penicilinas, as sulfamidas, a isoniazida, a fenitoína e os barbitúricos) podem causar essa doença. Em alguns casos, trata-se de uma complicação de outras doenças da pele, como dermatite atópica, psoríase e dermatite de contato. Certos linfomas (cânceres dos linfonodos) e outros cânceres, como leucemia, também podem causar dermatite esfoliativa. Em até 25% das pessoas, a causa é desconhecida.

Sintomas

A dermatite esfoliativa pode começar repentina ou lentamente. No início, toda a superfície da pele fica vermelha e brilhante. Em seguida, a pele fica escamosa, espessa e, às vezes, apresenta crostas. A camada superior da pele, a epiderme, se desprende em grandes partes do corpo. Por vezes, também, o cabelo e as unhas caem. Algumas pessoas têm coceira e linfonodos inchados.

Apesar de muitas pessoas apresentarem febre, podem também sentir frio e calafrios porque perdem muito calor através da pele danificada. Grandes quantidades de líquido, eletrólitos (como sódio, potássio e cálcio), ferro e proteína podem sair. A pele danificada é uma barreira insuficiente contra a infecção e, assim sendo, a pele pode ser infeccionada por bactérias.

Diagnóstico

  • Avaliação de um médico

  • Possivelmente biópsia cutânea para descartar câncer

Os médicos fazem o diagnóstico de dermatite esfoliativa com base no histórico da pessoa e nos resultados de um exame físico.

Se os sintomas de dermatite esfoliativa forem semelhantes aos de linfoma cutâneo (micose fungoide), os médicos enviam amostras de pele para o laboratório, a fim de descartar linfoma como causa.

Prognóstico

A dermatite esfoliativa pode trazer risco à vida, mas o prognóstico depende da causa. A dermatite esfoliativa causada por medicamentos dura de duas a seis semanas depois da interrupção do medicamento.

Tratamento

  • Muitas vezes, hospitalização para cuidados de apoio

  • Cuidados com a pele

  • Tratamento da causa subjacente

O diagnóstico e o tratamento de apoio imediatos da dermatite esfoliativa são muito importantes para prevenir o desenvolvimento de infecção na pele afetada e impedir que a perda de líquido e de proteínas seja potencialmente mortal.

As pessoas com dermatite esfoliativa grave costumam precisar de hospitalização e administração de antibióticos (para a infecção), líquidos e sais (para repor os líquidos perdidos pela pele) pela veia (intravenosamente) e suplementos nutritivos. Também terão de receber medicação e dispor de cobertores quentes para controlar a temperatura corporal. Os banhos frios de aveia, seguidos de aplicações de vaselina e gazes, podem contribuir para proteger a pele. Os corticosteroides (como a prednisona), por via oral ou intravenosa, só são administrados quando outras medidas não surtirem efeito, ou se a doença piorar.

Devem ser interrompidos e evitados todos os medicamentos ou substâncias químicas que poderiam causar a dermatite esfoliativa. Se o linfoma for o causador da dermatite esfoliativa, seu tratamento melhorará o distúrbio na pele.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Câncer de pele
Vídeo
Câncer de pele
A pele é o maior órgão do corpo. Ela tem muitas funções importantes, incluindo a de proteger...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Eritema linear
Modelo 3D
Eritema linear

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS