Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Carcinoma de células escamosas

Por

Gregory L. Wells

, MD, Ada West Dermatology, St. Luke’s Boise Medical Center, and St. Alphonsus Regional Medical Center

Última revisão/alteração completa mai 2019| Última modificação do conteúdo mai 2019
Clique aqui para a versão para profissionais
Fatos rápidos
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Recursos do assunto

O carcinoma de células escamosas é um câncer que começa nas células escamosas da pele.

  • Inchaços espessos e escamosos surgem na pele e não saram.

  • Para diagnosticar o câncer, os médicos fazem uma biópsia.

  • O tratamento com cirurgia, medicamentos quimioterápicos aplicados na pele e, às vezes, radioterapia geralmente eliminam o câncer, a não ser que ele tenha se espalhado.

  • Se o câncer se espalhar para outras partes do corpo, pode ser fatal.

As células escamosas (ceratinócitos) são as principais células estruturais da epiderme (camada externa da pele). O carcinoma de células escamosas é o câncer dessas células. A cada ano nos Estados Unidos, mais de um milhão de pessoas são diagnosticadas com carcinoma de células escamosas e 2.500 pessoas morrem em decorrência dele.

O carcinoma de células escamosas, o segundo tipo mais comum de câncer de pele depois do carcinoma basocelular, costuma desenvolver-se nas zonas expostas ao sol, mas pode crescer em qualquer parte da pele ou na boca, onde a exposição solar é mínima. Entretanto, pessoas que tiveram sua pele mais exposta ao sol têm mais risco de desenvolverem câncer de pele de células escamosas. As pessoas de pele clara são muito mais suscetíveis ao carcinoma de células escamosas do que as de pele escura.

O carcinoma de células escamosas pode surgir na pele normal, mas é mais provável que se manifeste na pele danificada. Esses danos incluem:

  • Tumores de pele pré-cancerosos causados por exposição anterior ao sol (ceratoses actínicas)

  • Úlceras crônicas na pele ou nas membranas mucosas (como aquelas que revestem os olhos, nariz e os pulmões) ou genitais

  • Pele marcada por cicatrizes, principalmente por queimaduras

Na boca, tumores de pele pré-cancerosos aparecem como manchas brancas ou vermelhas (leucoplasia ou eritroplasia).

A doença de Bowen e, possivelmente, os ceratoacantomas são formas de carcinoma de células escamosas.

Sintomas

O carcinoma de células escamosas é caracterizado por sua aparência espessa, descamativa e irregular, mas pode ter aparências diversas, e o médico pode suspeitar de inflamações em superfícies expostas ao sol que não cicatrizam.

O carcinoma de células escamosas começa como uma zona vermelha de superfície em crosta e escamosa. Quando aumenta, o tumor pode ficar um pouco alto e duro, às vezes com superfície parecida à superfície de uma verruga. O câncer acaba se tornando uma ferida aberta e cresce atingindo os tecidos subjacentes.

Exemplos de Carcinoma de células escamosas

Diagnóstico

  • Biópsia

Quando os médicos suspeitam da existência de um carcinoma de células escamosas, eles realizam uma biópsia para diferenciar o câncer de outras doenças de aspecto semelhante. Em uma biópsia, os médicos retiram um pedaço do tumor e o examinam ao microscópio.

Prognóstico

Geralmente, o prognóstico é excelente para pequenos tumores removidos precocemente e de maneira adequada. O tratamento é geralmente eficaz e a maioria das pessoas sobrevive. A maioria dos carcinomas de células escamosas afeta apenas a área ao redor, penetrando nos tecidos próximos. Porém, alguns se espalham (formam metástases) para partes distantes do corpo, na pele próxima e em gânglios linfáticos, e acabam indo para órgãos próximos, e podem ser fatais. Tumores com mais de dois centímetros de diâmetro ou que crescem mais de dois milímetros de profundidade, ou tumores que ocorrem próximo às orelhas e lábios, em cicatrizes ou ao redor de nervos são mais prováveis de se espalhar. Cerca de um terço dos casos de câncer na língua ou na boca sofreu metástases antes do diagnóstico (consulte Câncer da boca e da garganta).

Se o câncer for tratado antes de formar metástases, a pessoa geralmente fica curada. Porém, se o câncer formar metástases, a chance de sobreviver nos próximos 5 anos, mesmo com o tratamento, é de apenas 34%.

Prevenção

Como o carcinoma de células escamosas pode ser causado por exposição ao sol, as pessoas podem ajudar a prevenir este câncer adotando os seguintes procedimentos, que devem começar já no início da infância:

  • Evitar o sol: por exemplo, ficar na sombra, minimizar as atividades ao ar livre entre 10:00 e 16:00 (quando os raios do sol estão mais fortes) e evitar banhos de sol e o uso de bronzeamento artificial

  • Usar vestuário de proteção: por exemplo, camisas de mangas compridas, calças e chapéu de aba grande

  • Usar protetor solar: no mínimo, fator de proteção solar (FPS) 30 com proteção contra raios UVA e UVB usado conforme as instruções e reaplicado a cada 2 horas e depois de nadar ou transpirar, mas não usado para prolongar a exposição solar

Tratamento

  • Extração do tumor (muitos métodos diferentes)

O médico trata o carcinoma de células escamosas por meio de raspagem e cauterização com uma agulha elétrica (curetagem e eletrodissecação) ou através de ressecção, ou eliminando o câncer usando frio extremo (criocirurgia) ou ainda aplicando medicamentos para quimioterapia na pele. O médico também pode usar terapia fotodinâmica (consulte Uso de laser no tratamento de problemas na pele), em que produtos químicos e laser são aplicados na pele ou, ocasionalmente, radioterapia para tratar carcinoma de células escamosas.

As pessoas cujos carcinomas de células escamosas voltaram ou são grandes devem ser tratadas com uma técnica chamada cirurgia de Mohs microscopicamente controlada. Depois da cirurgia pode ser feita radioterapia.

O carcinoma de células escamosas que se disseminou apenas para uma ou poucas partes do corpo é tratado com radioterapia. Se o câncer estiver disseminado, não será possível usar radioterapia e, em geral, a quimioterapia não é eficaz.

Como há um maior risco de metástase do que com o carcinoma basocelular, o médico monitora de perto o tratamento e o acompanhamento.

Mais informações

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Câncer de pele
Vídeo
Câncer de pele
A pele é o maior órgão do corpo. Ela tem muitas funções importantes, incluindo a de proteger...
Modelos 3D
Visualizar tudo
Eritema linear
Modelo 3D
Eritema linear

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS