Manual MSD

Please confirm that you are not located inside the Russian Federation

Carregando

Unidade de cuidados especiais

Por

Oren Traub

, MD, PhD, Pacific Medical Centers

Última revisão/alteração completa mar 2018| Última modificação do conteúdo mar 2018
Clique aqui para a versão para profissionais
OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais

O paciente que precisa de tipos específicos de cuidado pode ser colocado em unidades de cuidados especiais.

Tipos de unidades

As unidades de terapia intensiva (UTI) são para pacientes que estão gravemente doentes. Esses pacientes incluem os que tiverem mau funcionamento geral repentino (falência) de um órgão, como o fígado, pulmões (precisando de ajuda para respirar) ou dos rins (precisando de diálise). Os pacientes em choque, com uma infecção grave ou que passaram por cirurgia de grande porte serão, provavelmente, colocados em uma UTI. Hospitais grandes podem ter uma unidade de tratamento intensivo pediátrica (UTIP) especial para crianças.

As unidades de cuidados coronários destinam-se às pessoas que estão sofrendo ou que sofreram um ataque cardíaco ou que apresentam ritmos cardíacos anormais (arritmia), insuficiência cardíaca ou outro problema cardíaco grave.

As unidades de terapia intensiva e as unidades de cuidados coronários são parecidas em relação ao fato de que ambas têm equipamentos para oferecer suporte e monitoramento constante das funções vitais. Dentre esses equipamentos, podemos citar:

  • Um monitor cardíaco é uma máquina que monitora a frequência e o ritmo cardíacos (eletrocardiografia ou ECG), a pressão arterial e a frequência respiratória. O monitor é conectado às pessoas por diversos fios.

  • Um cateter flexível inserido em uma veia (cateter intravenoso central) no pescoço, parte superior do tórax ou parte superior da coxa é utilizado para administrar medicamentos, líquidos e, algumas vezes, nutrientes ao paciente.

  • Respiradores para ajudar as pessoas com a respiração e desfibriladores para ajudar a restaurar o ritmo cardíaco ao normal estão disponíveis.

Uma vez que as pessoas nessas unidades necessitam de mais cuidados que o normal, mais membros da equipe estão disponíveis para prestar os cuidados. As horas e as regras de visitação são mais rígidas nessas unidades.

Unidades de telemetria cardíaca destinam-se às pessoas que necessitam de monitoramento cardíaco, mas que não estão doentes a ponto de necessitar monitoramento intensivo nas unidades de terapia intensiva ou de cuidados coronários. Os monitores cardíacos utilizados nessas unidades normalmente transmitem informações via wireless (sem fio) para permitir que as pessoas caminhem e usem o banheiro com facilidade.

Unidades semi-intensivas (unidades de cuidados intermediários) são um tipo de unidade de cuidados intensivos para pessoas doentes demais para ir para um leito regular de hospital, mas que estão mais estáveis que os pacientes na UTI. Nem todos os hospitais possuem essas unidades.

Isolamento

O isolamento é usado para impedir que o paciente infecte outros. O isolamento pode ser

  • Completo (quando um distúrbio pode ser transmitido pelo ar), exigindo que os membros da equipe do hospital que entram no quadro da pessoa utilizem um respirador, protetor facial, avental e luvas

  • Incompleto (quando um distúrbio é transmitido apenas por contato com a pele, sangue ou fezes), exigindo apenas que membros da equipe utilizem aventais e luvas

O isolamento reverso é usado para impedir que o paciente seja infectado por outros. O isolamento reverso é necessário quando o sistema imunológico do paciente não está funcionando bem, como depois de um transplante de medula óssea ou após ter recebido quimioterapia.

Qualquer um dos tipos de isolamento pode envolver o seguinte:

  • A pessoa é colocada em um quarto sozinha.

  • Qualquer pessoa que entrar no quarto deve utilizar o equipamento de proteção descrito acima.

  • O ar na sala pode ser filtrado.

  • Os visitantes são geralmente limitados aos membros mais próximos da família.

  • Crianças pequenas e pessoas com um sistema imunológico debilitado não devem visitar alguém com uma infecção contagiosa.

  • Pessoas com uma infecção contagiosa (mesmo se for um resfriado comum) não devem visitar pessoas no hospital, especialmente alguém em isolamento reverso.

OBS.: Esta é a versão para o consumidor. MÉDICOS: Clique aqui para a versão para profissionais
Clique aqui para a versão para profissionais
Obtenha o

Também de interesse

Vídeos

Visualizar tudo
Raios X
Vídeo
Raios X
A tecnologia de raios X utiliza raios de alta energia que podem atravessar certos tecidos...
Angiografia cerebral: Inserção de cateter
Vídeo
Angiografia cerebral: Inserção de cateter
A angiografia é utilizada para obter informações diagnósticas sobre os vasos sanguíneos que...

MÍDIAS SOCIAIS

PRINCIPAIS