Não encontrado
Locais

Encontre informações sobre assuntos médicos, sintomas, medicamentos, procedimento, noticias e mais, redigidas em linguagem simples.

Obstrução das vias respiratórias

Por Amy H. Kaji, MD, PhD, Harbor-UCLA Medical Center

Os procedimentos para alívio da obstrução das vias respiratórias costumam salvar a vida da pessoa afetada. Acontece frequentemente de adultos ficarem engasgados com um pedaço de comida, como um pedaço grande de carne. Os lactentes ainda não têm o reflexo de deglutição bem desenvolvido e podem ficar engasgados se lhes forem dados alimentos pequenos e redondos, como amendoins ou doces duros. As crianças, em especial as menores, podem ficar igualmente com as vias respiratórias obstruídas com balões, brinquedos, moedas e outros objetos não comestíveis que levam à boca e alimentos (particularmente alimentos redondos e macios, como cachorros-quentes, doces redondos, nozes e uvas).

A tosse pode ser o primeiro sintoma e é frequentemente tão grave que a pessoa não consegue pedir ajuda. É possível que a pessoa aperte a garganta com ambas as mãos. A respiração e a fala podem ficar fracas ou impossibilitadas. A pessoa pode emitir sons agudos ou arfar e ficar roxa, ter uma convulsão ou desmaiar.

Tratamento de primeiros socorros

O tratamento de uma pessoa que tem as vias respiratórias obstruídas tem prioridade sobre qualquer pedido de emergência médica.

Realizar a manobra de Heimlich

O socorrista coloca-se atrás da pessoa e rodeia o abdômen da pessoa com os braços. Cerra uma mão e coloca a outra mão sobre o punho. O socorrista coloca as mãos entre o esterno e o umbigo e empurra as mãos para dentro e para cima.

Uma tosse forte na maioria das vezes expulsa o objeto das vias respiratórias. Deve-se permitir que uma pessoa com tosse forte continue a tossir. Uma pessoa capaz de falar normalmente continua a manifestar, em geral, uma tosse forte. Se uma pessoa cujas vias respiratórias estiverem obstruídas não conseguir tossir, o socorrista deve realizar a manobra de Heimlich, que aumenta a pressão no abdômen e tórax, ajudando a expelir o objeto.

Se a pessoa estiver consciente, o socorrista aproxima-se por trás, usando os braços para rodear o abdômen da pessoa. O socorrista forma um punho. O polegar deve estar dentro do punho e a lateral do punho deve apontar para dentro. O socorrista coloca o punho entre o esterno e o umbigo, contra a pessoa. A outra mão é firmemente colocada sobre a mão fechada. As mãos devem ser energicamente puxadas para dentro e para cima 5 vezes, de forma sucessiva. Caso se trate de uma criança, deve ser aplicada menos força. Convém que se repitam algumas séries deste movimento até que o objeto seja expulso. Se a pessoa ficar inconsciente, o socorrista deve interromper os movimentos.

Se a pessoa perder a consciência, o socorrista observa a boca e a garganta, procurando quaisquer objetos que possam estar bloqueando as vias respiratórias e, se estiverem presentes, remove-os. Se a pessoa não começar respirando, a língua pode estar obstruindo as vias respiratórias. O reanimador, então, inclina a cabeça da pessoa ligeiramente para trás e levanta o queixo, movendo a língua e abrindo, assim, as vias respiratórias. Se a pessoa não estiver respirando, pode ser feita respiração boca a boca. A impossibilidade de mover o peito indica que as vias respiratórias continuam obstruídas (ver Parada cardíaca : Tratamento de primeiros socorros).

Desobstruir vias respiratórias obstruídas em um bebê

O bebê é colocado virado para baixo com o tórax apoiado no antebraço do socorrista. Em seguida, o socorrista bate nas costas do bebê entre as omoplatas.

O bebê é virado para cima com a cabeça mais baixa do que o corpo. Em seguida, o socorrista coloca os dedos indicador e intermédio no esterno do bebê e empurra-os para dentro e para cima.

Em um bebê, não se realiza a manobra de Heimlich. Em vez disso, posiciona-se o bebê com a boca para baixo, com o peito apoiado sobre o antebraço do socorrista e com a cabeça mais baixa do que o corpo. O socorrista deve fazer batimentos entre as omoplatas 5 vezes, utilizando a palma da mão. Os batimentos devem ser firmes, mas de forma a não machucarem o bebê. Em seguida, o socorrista deve examinar a boca da criança e retirar qualquer objeto visível. Se as vias respiratórias continuarem obstruídas, o socorrista deve colocar o bebê de boca para cima, com a cabeça para baixo, empurrar com os dedos indicador e médio para dentro e para cima sobre o esterno 5 vezes (compressão torácica). Em seguida, o socorrista deve examinar a boca da criança, procurando qualquer objeto visível.

Recursos neste artigo