Não encontrado
Locais

Encontre informações sobre assuntos médicos, sintomas, medicamentos, procedimento, noticias e mais, redigidas em linguagem simples.

Infecções por Staphylococcus aureus

Por Matthew E. Levison, MD, Drexel University College of Medicine;Drexel University

Staphylococcus aureus é a bactéria mais perigosa de todas entre as bactérias estafilocócicas mais comuns.

  • Essas bactérias são transmitidas pelo contato direto com uma pessoa infectada, usando um objeto contaminado ou ao inalar pequenas gotículas infectadas dispersas ao espirrar ou tossir.

  • As infecções cutâneas são comuns, mas as bactérias se espalham pela corrente sanguínea e infectam órgãos distantes.

  • As infecções de pele podem causar bolhas, abscessos, vermelhidão e inchaço da área infectada.

  • O diagnóstico é baseado na aparência da pele ou identificação da bactéria em uma amostra do material infectado.

  • A lavagem bem feita das mãos pode ajudar a prevenir a propagação da infecção.

  • Os antibióticos são escolhidos com base na probabilidade de serem eficazes contra a cepa que causa a infecção.

O Staphylococcus aureus está presente no nariz de adultos (temporariamente em 60% e permanentemente em 20% a 30%) e, às vezes, na pele. As pessoas que têm a bactéria, mas nenhum sintoma causado pela bactéria, são chamadas portadoras. As pessoas mais prováveis de ser portadoras, incluem aquelas cuja pele é repetidamente perfurada ou rachada, como as seguintes:

  • Pessoas com diabetes melito e que têm de injetar insulina regularmente.

  • Pessoas que injetam drogas ilícitas

  • Pessoas sendo tratadas com hemodiálise ou diálise peritonial ambulatória crônica

  • Pessoas com infecções cutâneas, AIDS ou infecções anteriores por estafilococos na corrente sanguínea

As pessoas podem mover bactéria do nariz para outras partes do corpo com as mãos, por vezes levando à infecção. Os portadores podem desenvolver infecção se passaram por cirurgia, são tratadas com hemodiálise ou diálise peritonial ambulatória crônica, ou têm AIDS.

As bactérias podem ser transmitidas de pessoa a pessoa pelo contato direto, através de objetos contaminados (como telefones, maçanetas de porta, controles remotos de televisão ou botões de elevador) ou, com menos frequência, pela inalação de gotículas infectadas dispersas por espirro ou tosse.

As infecções por Staphylococcus aureus oscilam de leves a potencialmente mortais. A bactéria tende a infectar a pele (ver Infecções bacterianas da pele), muitas vezes causando abscessos. Porém, a bactéria pode viajar pela corrente sanguínea (causando bacteremia) e infectar praticamente qualquer local do corpo, em especial as valvas cardíacas (endocardite, ver Endocardite infecciosa) e os ossos (osteomielite, ver Osteomielite). A bactéria também tende a aderir em dispositivos médicos no corpo, tais como valvas cardíacas ou articulações artificiais, marca-passos cardíacos e tubos (cateteres) inseridos pela pele nos vasos sanguíneos.

Certas infecções estafilocócicas são mais prováveis em certas situações:

  • Endocardite: Quando as pessoas injetam drogas ilícitas, têm um cateter de vaso sanguíneo infectado, ou têm uma valva cardíaca artificial

  • Osteomielite: Se o Staphylococcus aureus se espalhar para os ossos através da infecção na corrente sanguínea ou através da infecção no tecido macio adjacente, como pode ocorrer em úlceras de decúbito ou dos pés devido ao diabetes

  • Infecção pulmonar (pneumonia): Quando as pessoas apresentaram influenza (principalmente) ou infecção na corrente sanguínea ou quando são hospitalizadas porque precisam de intubação pela traqueia e ventilação mecânica (ver Pneumonia adquirida no hospital e pneumonia adquirida na instituição)

Há muitas cepas de Staphylococcus aureus. Algumas cepas produzem toxinas que podem causar os sintomas da intoxicação alimentar por estafilococos (ver Intoxicação alimentar por estafilococos), síndrome de choque tóxico (ver Síndrome do choque tóxico) e síndrome de pele escaldada (ver Síndrome da Pele Escaldada por Estafilococos).

Muitas cepas desenvolveram resistência aos efeitos dos antibióticos. Se os portadores tomarem antibióticos, os antibióticos matam as cepas que não são resistentes, deixando principalmente as cepas resistentes. Essas bactérias podem então se multiplicar e, se causarem infecção, a infecção é mais difícil de tratar. A resistência das bactérias e os antibióticos a que resistem muitas vezes dependem de onde as pessoas contraíram a infecção: no hospital ou outro estabelecimento de cuidados de saúde, ou fora de tal estabelecimento (na comunidade).

Staphylococcus aureus resistente à meticilina (SARM)

Porque os antibióticos são amplamente usados em hospitais, os funcionários de hospitais geralmente carregam cepas resistentes. Quando as pessoas são infectadas em um estabelecimento de saúde, as bactérias são geralmente resistentes a vários tipos de antibióticos, incluindo todos os antibióticos que são relacionados à penicilina (chamados antibióticos betalactâmicos). As cepas de bactéria resistentes aos antibióticos betalactâmicos são chamadas de Staphylococcus aureus resistente à meticilina (SARM). As cepas de SARM são comuns se a infecção for adquirida em um estabelecimento de saúde, e mais e mais infecções adquiridas na comunidade, incluindo abscessos leves e infecções cutâneas, são causadas pelas cepas de SARM.

Você sabia que...

  • As infecções estafilocócicas podem ser muito difíceis de tratar porque muitas bactérias desenvolveram resistência a antibióticos.

Sintomas

Infecções da pele devido a Staphylococcus aureus podem incluir o seguinte:

  • Foliculite é a menos séria. A raiz do pelo (folículo) está infectada, causando uma espinha pequena e levemente dolorosa na base do pelo.

  • O impetigo consiste em bolhas rasas e cheias de líquido que podem romper, deixando crostas amarelas. O impetigo pode coçar ou dor.

  • Os abscessos (furúnculos) são acúmulos de pus sob a pele, quentes e dolorosos.

  • A celulite é uma infecção da pele e dos tecidos que se encontram imediatamente por debaixo dela. A celulite se espalha, causando dor e vermelhidão.

  • A necrólise epidérmica tóxica e, em recém-nascidos, a síndrome da pele escaldada, são infecções sérias. Ambas levam à descamação da pele em grande escala.

Todas as infecções estafilocócicas da pele são muito contagiosas.

As infecções mamárias (mastite), que podem incluir celulite e abscessos, podem se desenvolver entre 1 e 4 semanas depois do parto. A área ao redor do mamilo fica vermelha e dolorida. Os abscessos muitas vezes liberam grandes quantidades de bactérias no leite da mãe. As bactérias podem, então, infectar o lactante.

A pneumonia pode provocar uma febre muito alta, falta de ar, tosse com expectoração que pode conter sangue. Abscessos pulmonares podem se desenvolver. Eles, por vezes, aumentam e envolvem as membranas em torno dos pulmões (causando pleurisia) e muitas vezes fazem com que o pus se acumule (chamado um empiema). Esses problemas tornam a respiração ainda mais difícil.

A infecção na corrente sanguínea é a causa mais comum de morte nas pessoas com queimaduras graves. Geralmente os sintomas incluem febre alta persistente e, por vezes, choque.

A endocardite pode causar rapidamente lesões nas valvas cardíacas, chegando à insuficiência cardíaca (com dificuldade respiratória) e, possivelmente, morte.

A osteomielite pode provocar arrepios, febre e dores nos ossos. A pele e os tecidos macios sobre o osso infectado ficam vermelhos e inchados, e o fluido pode se acumular nas articulações próximas.

Diagnóstico

As infecções da pele são geralmente diagnosticadas com base em seu aspecto. Outras infecções requerem amostras de sangue ou fluidos infectados, que são enviados a um laboratório para fazer cultura das bactérias. Os resultados do laboratório confirma o diagnóstico e determina quais os antibióticos podem destruir os estafilococos (chamados testes de suscetibilidade).

Se um médico suspeitar de osteomielite, radiografias, tomografia computadorizada (TC), imagem por ressonância magnética (IRM), ou uma combinação, são realizadas. Esses testes podem mostrar onde a lesão se encontra e ajudam a determinar a seriedade dela.

Prevenção

As pessoas podem ajudar a prevenir a disseminação dessas bactérias ao lavar sempre bem as mãos com água e sabão ou com géis desinfetantes e antibacterianos para as mãos. As bactérias podem ser eliminadas do nariz ao aplicar o antibiótico mupirocina dentro das narinas. Porém, porque o uso excessivo da mupirocina pode levar à resistência ao antibiótico, este é usado somente quando as pessoas são propensas a contrair uma infecção. Por exemplo, é dado a pessoas antes de certas operações ou a pessoas que vivem em um domicílio onde há disseminação de infecção cutânea.

Tratamento

As infecções por Staphylococcus aureus são tratadas com antibióticos. Os médicos tentam determinar se as bactérias são resistentes ao antibiótico e, se forem, a que antibióticos.

A infecção adquirida em hospital é tratada com antibióticos eficazes contra Staphylococcus aureus resistente à meticilina (SARM): ceftobiprol, vancomicina, linezolida, quinupristina mais dalfopristina ou daptomicina. Se os resultados dos testes mais tarde indicarem que a cepa é suscetível à meticilina, e a pessoa não é alérgica à penicilina, é usado um fármaco relacionado à meticilina, como a nafcilina. Dependendo da gravidade da infecção, os antibióticos podem ser administrados durante semanas.

A infecção por SARM pode ser adquirida fora de um estabelecimento de saúde. As cepas de SARM adquiridas pela comunidade são geralmente suscetíveis a outros antibióticos, tais como trimetoprima-sulfamethoxazol, clindamicina, minociclina ou doxiciclina, assim como antibióticos usados para tratar infecções por SARM adquiridas no hospital. As infecções leves da pele devido ao SARM, como foliculites, são geralmente tratadas com uma pomada como as que contêm bacitracina, neomicina e polimixina B (disponível sem prescrição) ou mupirocina (disponível somente por prescrição). Se mais de uma pomada for necessária, antibióticos contra SARM são dados por via oral ou intravenosa. A escolha do antibiótico a usar depende da gravidade da infecção e dos resultados dos testes de suscetibilidade.

Se uma infecção envolver osso ou material estranho no corpo (como marca-passos cardíacos, articulações e valvas cardíacas artificiais e enxertos de vaso sanguíneo), rifampina é, por vezes, adicionada ao regime de antibióticos. Geralmente, o osso infectado e o material estranho precisam ser removidos cirurgicamente para curar a infecção.

Os abscessos, se presentes, são normalmente drenados.

Outras infecções estafilocócicas

O Staphylococcus aureus produz uma enzima chamada coagulase. Outras espécies de estafilococos não a produzem e, assim, são chamadas de estafilococos negativos para coagulase. Essas bactérias geralmente residem na pele de todas as pessoas saudáveis.

Essas bactérias, embora menos perigosas do que o Staphylococcus aureus, podem causar infecções sérias, geralmente quando adquiridas em um hospital. A bactéria pode infectar cateteres inseridos pela pele em um vaso sanguíneo ou dispositivos médicos implantados (como marca-passos ou valvas cardíacas e articulações artificiais).

Essas bactérias são muitas vezes resistentes a muitos antibióticos. Vancomicina, que é eficaz contra muitas bactérias resistentes, é por vezes usada com rifampina. Dispositivos médicos, se infectados, muitas vezes devem ser removidos.

Recursos neste artigo