Não encontrado
Locais

Encontre informações sobre assuntos médicos, sintomas, medicamentos, procedimento, noticias e mais, redigidas em linguagem simples.

Tricomoníase

Por J. Allen McCutchan, MD, MSc, University of California at San Diego

A tricomoníase é uma doença sexualmente transmissível da vagina ou da uretra causada pelo protozoário Trichomonas vaginalis e que causa irritação e secreção vaginais.

  • As mulheres podem ter uma secreção amarelo-esverdeada, espumosa, com odor de peixe, apresentando irritação e assadura da área genital.

  • Os homens são menos prováveis de ter sintomas, mas podem ter uma secreção espumosa, parecida com pus, saindo do pênis, e a urinação pode ser dolorosa e frequente.

  • O exame de uma amostra da secreção ao microscópio geralmente possibilita aos médicos identificarem a infecção.

  • Uma única dose de antibiótico cura a maioria das mulheres, mas a maioria dos homens precisa tomar antibióticos durante 7 dias.

A Trichomonas vaginalis frequentemente causa doença sexualmente transmissível (DST) da vagina nas mulheres e uma DST do trato urinário nos homens e nas mulheres. As mulheres são mais propensas a apresentar sintomas. Cerca de 20% das mulheres desenvolve tricomoníase vaginal (trichomonas vaginitis) durante seus anos férteis (consulte Vaginite por trichomonas). Muitas pessoas com tricomoníase também apresentam gonorreia ou outras DSTs.

Sintomas

Nas mulheres, a infecção costuma começar com uma secreção vaginal espumosa de cor amarelo-esverdeada, com odor de peixe. Em algumas mulheres, a secreção é discreta. A vulva pode estar irritada e dolorida e pode haver dor durante as relações sexuais. Nos casos graves, a vulva e a pele que a rodeia inflamam-se, bem como os lábios. A urinação pode também ser dolorida ou frequente, como ocorre com a infecção da bexiga. Os sintomas urinários e vaginais podem ocorrer sozinhos ou juntos.

A maioria dos homens com tricomoníase da uretra não tem sintomas ou somente leves, mas ainda pode infetar seus parceiros sexuais. Alguns homens têm uma secreção espumosa, parecida com pus, saindo do pênis, urinação dolorosa e uma urgência em urinar com frequência, geralmente cedo pela manhã. Raramente, o epidídimo (o tubo enrolado no topo de cada testículo) e a próstata são infetados.

Você sabia que...

  • Cerca de 1 entre 5 mulheres desenvolve tricomoníase da vagina.

  • A maioria dos homens com tricomoníase não apresenta sintomas, mas ainda pode infetar suas parceiras sexuais.

Diagnóstico

Os médicos suspeitam de tricomoníase em mulheres com infecções vaginais, em homens com infecções uretrais e suas parceiras sexuais.

O micro-organismo é mais difícil de detectar nos homens do que nas mulheres. Nas mulheres, o diagnóstico pode geralmente ser feito rapidamente ao examinar uma amostra da secreção vaginal ao microscópio e identificar o organismo. Se os resultados forem incertos, é feita a cultura da amostra durante vários dias. Nos homens, a amostra da secreção da parte distal do pênis (obtida pela manhã, antes da primeira urina) pode ser examinada ao microscópio e enviada ao laboratório para sua cultura. Ocasionalmente, o exame microscópico da urina detecta Trichomonas, mas a identificação é mais provável se for feita a cultura da urina.

Os testes para outras DSTs também são geralmente feitos, porque muitas pessoas com tricomoníase também apresentam gonorreia ou infecção por clamídia.

Tratamento

Uma dose de metronidazol ou tinidazol (que são antibióticos), tomada por via oral, cura até 95% das mulheres infetadas. Porém, seus parceiros sexuais devem ser tratados simultaneamente ou as mulheres podem ser reinfetadas. Não se sabe com certeza se o tratamento com uma única dose é eficaz nos homens. Porém, os homens costumam ficar curados depois de 7 dias de tratamento com antibiótico.

Se for tomado com álcool, o metronidazol pode causar náuseas e vermelhidão da pele. O fármaco pode ser a causa de um sabor metálico na boca, náuseas ou uma diminuição no número de glóbulos brancos. As mulheres que tomam o medicamento podem ter maior propensão às infecções vaginais por leveduras (candidíase genital). O metronidazol deve ser evitado durante a gravidez, pelo menos durante os 3 primeiros meses.

As pessoas infetadas devem se abster de relações sexuais até a infecção estar curada ou elas podem reinfetar seus parceiros sexuais.

Recursos neste artigo