Não encontrado
Locais

Encontre informações sobre assuntos médicos, sintomas, medicamentos, procedimento, noticias e mais, redigidas em linguagem simples.

Fraqueza

Por Michael C. Levin, MD, University of Tennessee Health Science Center

A fraqueza refere-se à perda da força do músculo, ou seja, as pessoas não conseguem movimentar um músculo normalmente apesar de tentar o máximo que podem. Contudo, o termo pode ser usado em excesso. Muitas pessoas com força muscular normal dizem que se sentem fracos quando se sentem cansados ( Fadiga) ou quando o movimento é limitado por causa da dor ou rigidez articular.

Para um indivíduo movimentar intencionalmente um músculo (chamado uma contração muscular voluntária), o encéfalo deve gerar um sinal que viaja pela via do

  • Encéfalo

  • Por neurônios no tronco encefálico e na medula espinal

  • Por nervos da medula espinal aos músculos (chamados nervos periféricos)

  • Através da conexão entre nervo e músculo (chamada ligação neuromuscular)

Além disso, a quantidade do tecido muscular deve ser normal, e o tecido deve ser capaz de se contrair em resposta ao sinal nervoso. Portanto, a fraqueza verdadeira ocorre somente quando uma parte dessa via ― encéfalo, medula espinal, nervos, músculos ou as conexões entre eles ― é danificada ou está doente.

A fraqueza pode surgir de forma gradual ou repentina. Ela pode afetar todos os músculos no corpo (chamada fraqueza generalizada) ou somente uma parte do corpo. Por exemplo, dependendo de onde a medula espinal é lesionada, distúrbios da medula espinal podem causar fraqueza somente nas pernas.

Os sintomas dependem de quais músculos são afetados. Por exemplo, quando a fraqueza afeta os músculos do peito, a pessoa pode ter dificuldade para respirar. Quando a fraqueza afeta os músculos que controlam os olhos, a pessoa pode ter visão dupla. A fraqueza muscular completa causa a paralisia. A pessoa pode apresentar outros sintomas dependendo do que está causando a fraqueza. A fraqueza muitas vezes é acompanhada por anormalidades como zumbido, uma sensação de picadas e dormência.

Causas

Uma vez que o mau funcionamento na mesma parte do trajeto de sinais desencadeia sintomas semelhantes independente da causa, diversas causas de fraqueza muscular são geralmente agrupadas pelo local (veja Algumas causas e características da fraqueza muscular). Isso significa que as causas são agrupadas como causas que afetam o encéfalo, a medula espinal, os nervos periféricos, os músculos ou as conexões entre nervos e músculos. Contudo, alguns distúrbios afetam mais de um local.

Causas comuns

As causas diferenciam-se dependendo de a fraqueza ser generalizada ou não, ou afetar ou não somente músculos específicos.

As causas mais comuns de fraqueza generalizada são

  • Redução da aptidão física geral (chamada descondicionamento), que pode resultar de uma doença e/ou redução das reservas físicas (fragilidade), como massa muscular, densidade óssea e capacidade de funcionamento do coração e pulmões, especialmente em pessoas mais velhas

  • Perda do tecido muscular (desgaste ou atrofia) devido a longos períodos de inatividade ou repouso em cama, como ocorre na UTI

  • Dano a nervos devido a uma doença grave ou lesão, como queimaduras graves ou extensas

  • Distúrbios de músculo específicos, como devido a um nível baixo de potássio (hipocalemia), consumo excessivo de álcool ou uso de corticosteroides

  • Medicamentos usados para paralisar músculos — por exemplo, impedir a movimentação durante uma cirurgia ou enquanto está em ventilação artificial

As causas mais comuns de fraqueza em músculos específicos são

  • Derrame (a causa mais comum de fraqueza que afeta um lado do corpo)

  • Um nervo comprimido, como ocorre na síndrome do túnel do carpo

  • Ruptura ou hérnia de discos na coluna vertebral

  • Pressão (compressão da) na medula espinal, como em caso de câncer que se estendeu à medula espinal

  • Esclerose múltipla

Causas menos comuns

Outras condições podem causar fraqueza (veja Algumas causas e características da fraqueza muscular). Por exemplo, anormalidades de eletrólitos (como um nível baixo de magnésio ou cálcio) podem causar fraqueza intermitente (que vai e vem), bem como cãibras e tremores musculares.

Fadiga

Muitas pessoas relatam fraqueza quando o problema é na verdade fadiga (Fadiga). As causas comuns de fadiga incluem uma doença grave, câncer, infecção crônica (como infecção por HIV, hepatite ou mononucleose), insuficiência cardíaca, anemia, síndrome de fadiga crônica, fibromialgia e distúrbios de humor (como depressão).

Avaliação

Primeiro, o médico tenta determinar se a pessoa está fraca ou simplesmente cansada. Se estiver fraca, o médico então determina se a fraqueza é grave ou piora rapidamente a ponto de ameaçar a vida.

Sinais de alerta

Em pessoas com fraqueza, os seguintes sintomas são motivo de preocupação:

  • Fraqueza que se desenvolve em poucos dias

  • Dificuldade em respirar

  • Dificuldade em levantar a cabeça enquanto está deitado

  • Dificuldade para mastigar, falar ou engolir

  • Perda da capacidade de caminhar

Quando consultar um médico

Pessoas com qualquer sinal de alerta devem procurar a emergência imediatamente. O atendimento clínico imediato é crucial, porque a fraqueza acompanhada por um sinal de alerta pode piorar rapidamente e causar deficiência permanente, ou ainda ser fatal. As pessoas sem sinais de atenção devem consultar seus médicos. O médico pode decidir com que rapidez essas pessoas devem ser atendidas com base nos sintomas e outros distúrbios que já tenham tido. Para a maioria dessas pessoas, um atraso de poucos dias não é perigoso.

Se a fraqueza piorar gradualmente (após meses a anos), a pessoa deve discutir o problema com o médico durante sua consulta regular.

O que o médico faz

Primeiro, os médicos fazem perguntas sobre os sintomas e o histórico médico. Em seguida, os médicos fazem um exame físico. O que eles encontram durante o histórico e o exame físico frequentemente sugere uma causa e os testes que precisam ser realizados (consulte Algumas causas e características da fraqueza muscular).

O médico pede à pessoa para descrever detalhadamente o que está sentindo que acha ser fraqueza. Os médicos perguntam

  • Quando a fraqueza começou

  • Se começou de forma repentina ou gradual

  • Se é constante ou está piorando

  • Quais músculos são afetados

  • Se e como a fraqueza afeta a capacidade de executar certas atividades, como respirar, escovar os dentes ou o cabelo, falar, engolir, levantar-se de uma posição sentada, subir escadas e caminhar

  • Se tem outros sintomas que indicam o mau funcionamento do sistema nervoso, como problemas de visão ou de discurso, perda de sensibilidade ou memória, ou convulsões

O que parece ser a fraqueza súbita é muitas vezes fraqueza gradual, mas a pessoa pode não notar até que já não consiga fazer algo, como caminhar ou amarrar os sapatos.

Com base na descrição da fraqueza, os médicos muitas vezes podem identificar as causas mais prováveis, que são as seguintes:

  • Um distúrbio muscular: Fraqueza que começa nos quadris e coxas ou nos ombros (isto é, a pessoa tem dificuldade para se levantar ou levantar os braços para cima) e nenhum efeito sobre a sensibilidade

  • Um distúrbio do nervo periférico: Fraqueza que começa nas mãos e nos pés (isto é, a pessoa tem dificuldade de levantar uma xícara, escrever ou pisar em um pedal) e perda da sensibilidade

Os médicos também perguntam sobre outros sintomas, que podem sugerir uma ou várias causas possíveis. Por exemplo, se a pessoa com dor nas costas e histórico de fraqueza de câncer relata fraqueza em uma perna, a causa pode ser o câncer, que se estendeu e pressionou a medula espinal.

São feitas perguntas sobre sintomas que sugerem fadiga ou outro problema, em vez de fraqueza muscular. Pessoas com fraqueza muscular muitas vezes relatam dificuldade em executar tarefas específicas, e a fraqueza segue um padrão (por exemplo, piora após caminhar). A fadiga tende a causar sintomas mais gerais e não segue um determinado padrão. Por isso, está presente todo o tempo e afeta o corpo inteiro. Os médicos fazem perguntas sobre distúrbios recentes ou atuais que comumente causam fadiga, como uma doença grave recente ou distúrbio de humor (como depressão).

Os médicos perguntam sobre o uso passado e atual de medicamentos, incluindo álcool e drogas recreativas. Se parentes tiveram sintomas semelhantes, isso pode ajudar o médico a determinar se a causa é hereditária.

Durante o exame físico, os médicos se concentram no sistema nervoso (exame neurológico — Exame físico) e músculos. Eles testam os nervos cranianos (que unem o encéfalo com olhos, orelhas, rosto e várias outras partes do corpo), por exemplo, verificando os movimentos oculares, a capacidade de falar claramente e a capacidade de girar a cabeça.

Os médicos observam como o indivíduo caminha e buscam outros sinais de que o sistema nervoso está funcionando de modo falho, como a perda de coordenação ou sensibilidade. Os músculos têm tamanho e movimentos não intencionais excepcionais examinados (como movimentos e tremores involuntários). Os médicos observam a suavidade com que os músculos se movimentam e se há resistência involuntária ao movimento (detectada quando os médicos tentam movimentar um músculo que o indivíduo relaxou).

Os reflexos são verificados. Os reflexos são respostas automáticas a um estímulo. Por exemplo, os médicos testam o reflexo patelar batendo suavemente no tendão do músculo sob a rótula com um martelo de borracha. Normalmente, o joelho movimenta-se involuntariamente ( Reflexos). Esse teste ajuda os médicos a identificar qual parte do sistema nervoso provavelmente foi afetada, dentre as seguintes:

  • Encéfalo ou medula espinal: Se os reflexos são acionados com facilidade e são fortes

  • Nervos: Se os reflexos são acionados com dificuldade e são lentos ou ausentes

Os médicos testam aforça muscular pedindo ao indivíduo que empurre ou puxe contra uma resistência, ou que faça movimentos que exijam força, como caminhar sobre os calcanhares e dedos ou levantar-se.

Um exame físico geral é feito para buscar outros sintomas que podem sugerir uma causa, como dificuldade para respirar.

Em geral, se histórico e exame físico não apresentam anormalidades específicas que sugerem um distúrbio no encéfalo, na medula espinal, no nervo ou no músculo, a causa provavelmente será fadiga.

Algumas causas e características da fraqueza muscular

Causa

Características comuns*

Exames

Distúrbios no cérebro

Tumores cerebrais

Dores de cabeça, alterações de personalidade, confusão, dificuldade de concentração, sonolência, perda de equilíbrio e coordenação, e paralisia ou dormência

Às vezes, convulsões

IRM ou TC do encéfalo

Esclerose múltipla (afeta o encéfalo, a medula espinal ou ambos)

Em geral, outros sintomas de mau funcionamento do sistema nervoso (como perda de sensibilidade, perda de coordenação e problemas de visão)

Fraqueza que

  • Tende a ir e vir

  • Às vezes afeta diferentes partes do corpo

  • Piora no calor

IRM do cérebro

Algumas vezes uma punção lombar

Acidente vascular cerebral (AVC)

Sintomas que ocorrem repentinamente:

  • Fraqueza ou paralisia, geralmente em um lado do corpo

  • Anormalidades ou perda de sensibilidade em um lado do corpo

  • Dificuldade para falar, às vezes com discurso pronunciado indistintamente

  • Confusão

  • Obscurecimento ou perda da visão de forma brusca, em particular num olho.

  • Tontura ou perda de equilíbrio e coordenação

Exame clínico

TC ou IRM do encéfalo

Distúrbios da medula espinal

Mielite transversa aguda (inflamação súbita da medula espinal), muitas vezes devido a

  • Esclerose múltipla

  • Inflamação dos vasos sanguíneos

  • Algumas infecções, como doença de Lyme ou sífilis

Formigamento, dormência e fraqueza muscular que

  • Ocorre rapidamente (em poucas horas ou dias)

  • Começa nos pés e sobe

Em geral, uma tensão parecida a uma faixa em volta do peito ou abdômen

Muitas vezes dificuldade para urinar

Quando uma lesão é grave, perda de controle da bexiga e do intestino e/ou resposta sexual reduzida, incluindo disfunção erétil em homens

IRM da medula espinal

Punção lombar

Compressão de medula espinal que se desenvolve repentinamente (agudo), que pode ocorrer por

  • Abcessos (bolsas de pus)

  • Hematomas (bolsas de sangue)

  • Lesões no pescoço ou costas

  • Alguns tipos de câncer

Em caso agudo, sintomas que se desenvolvem em horas ou dias

Em caso crônico, sintomas que estão presentes por semanas a meses

Fraqueza ou paralisia das pernas e às vezes braços e perda de sensibilidade

Com abscessos, infecções ou tumores, sensibilidade ao toque na área comprimida

IRM da medula espinal

Compressão da medula espinal que se desenvolve lentamente (crônico), como resultado de

  • Espondilose cervical (degeneração dos discos vertebrais devido a artrite)

  • Estenose espinal (restrição do corredor da coluna) devido a artrite

  • Alguns tumores

Quando uma lesão é grave, perda de controle da bexiga e do intestino e/ou resposta sexual reduzida, incluindo disfunção erétil em homens

IRM da medula espinal

Compressão de um nervo espinal por um disco que sofreu ruptura

Fraqueza, dormência ou ambos em uma perna ou braço

Em geral, dor nas costas ou pescoço que desce para a perna ou o braço

Em geral, IRM ou TC da medula espinal

Em geral, eletromiografia (estímulo de músculos e registro da atividade elétrica)

Às vezes, estudos de condução de nervo (medem a velocidade em que os nervos transmitem sinais)

Síndrome de cauda equina, causada por pressão em diversas raízes nervosas espinais, como resultado de

  • Um disco rompido ou com hérnia

  • Disseminação de câncer à coluna

Fraqueza nas duas pernas

Perda de sensibilidade na parte interior superior das coxas, nas nádegas, bexiga, genitais e na área entre eles (área de sela)

Em geral, dor lombar

Perda de controle da bexiga e do intestino e/ou resposta sexual reduzida, incluindo disfunção erétil em homens

IRM da medula espinal

Esclerose múltipla (afeta o encéfalo, a medula espinal ou ambos)

Em geral, outros sintomas de mau funcionamento do sistema nervoso (como perda de sensibilidade, perda de coordenação e problemas de visão)

Fraqueza que

  • Tende a ir e vir

  • Às vezes afeta diferentes partes do corpo

  • Piora no calor

RM do cérebro e da medula espinhal

Às vezes, punção lombar

Distúrbios que afetam os nervos periféricos e o encéfalo ou a medula espinal

Esclerose lateral amiotrófica (ELA)

Fraqueza muscular que

  • Muitas vezes começa nas mãos

  • Às vezes afeta um lado mais do que o outro

Alterações da coordenação motora, contrações musculares involuntárias e câimbras musculares

Emissão de saliva e dificuldade em falar e engolir

Conforme o distúrbio progride, dificuldade para respirar e consequentemente morte

Eletromiografia e às vezes estudos de condução nervosa

Muitas vezes IRM da medula espinal para excluir distúrbios da medula espinal que podem causar sintomas semelhantes

Síndrome de pós-poliomielite

Músculos que se cansam facilmente e fraqueza muscular progressiva

Às vezes, contração muscular e perda de tecido muscular

Em pessoas que tiveram poliomielite

Eletromiografia e às vezes estudos de condução nervosa

Distúrbios que afetam simultaneamente muitos nervos (polineuropatias)

Síndrome de Guillain-Barré

Fraqueza e muitas vezes perda de sensibilidade que

  • Em geral, começa nas duas pernas

  • E progride para cima, em direção aos braços

Quando grave, dificuldade para engolir e respirar

Eletromiografia e estudos de condução nervosa

Punção lombar

Dano neural causado por

  • Uso excessivo de álcool

  • Diabetes

  • Medicamentos (como vincristina, cisplatina ou estatinas)

  • Infecções (como difteria, hepatite C, infecção por HIV, doença de Lyme ou sífilis)

  • Sarcoidose

  • Doença grave (especialmente na UTI)

  • Substâncias tóxicas (como chumbo ou mercúrio)

  • Deficiência de vitaminas (como tiamina, vitamina B6 ou vitamina B12)

Fraqueza muscular que

  • Muitas vezes começa nos pés

  • E afeta as mãos

  • Então, progride para pernas e braços

Perda da sensibilidade, tipicamente antes de os músculos ficarem fracos

Eletromiografia e estudos de condução nervosa

Outros testes dependendo do distúrbio sob suspeita, como

  • Exame de urina para verificar a presença de toxinas

  • Exames de sangue para verificar a presença anticorpos específicos ou medir os níveis de açúcar, vitamina ou de um medicamento

  • Às vezes, punção lombar

Distúrbios que afetam as conexões entre nervos e músculos (distúrbios de ligação neuromuscular)

Botulismo (devido às bactérias Clostridium botulinum)

No início, muitas vezes boca seca, pálpebras pesadas, problemas de visão (como visão em dobro), dificuldade para engolir e falar e fraqueza muscular rapidamente progressiva, muitas vezes começando no rosto e descendo para o corpo

Quando um alimento contaminado é a fonte, náusea, vômito, cólicas de estômago e diarreia

Nenhuma alteração na sensibilidade

Exames de sangue e fezes para verificar a presença de toxinas produzidas pelas bactérias

Às vezes, eletromiografia ou exame de fezes para verificar a presença de bactérias

Miastenia grave

Pálpebras fracas e pesadas, visão dobrada, dificuldade para falar e engolir e fraqueza nos braços e pernas

Fraqueza excessiva dos músculos afetados que

  • Ocorre após os músculos serem usados

  • Desaparece quando estão descansados

  • Ocorre quando são usados novamente

Uso de um medicamento (teste do edrofônio) para verificar se a força muscular melhora após o uso do músculo

Exames de sangue para verificar a presença anticorpos e/ou eletromiografia

Envenenamento por organofosfato (inseticida)

Olhos lacrimejando, visão nublada, salivação elevada, sudorese, tosse, vômito, evacuações e urinação frequentes e músculos fracos que tremem

Exame clínico

Às vezes, exame de sangue para identificar a toxina

Distúrbios que afetam músculos (miopatias)

Mau funcionamento muscular devido a uso de álcool, corticosteroides ou vários outros medicamentos

Fraqueza que tende a causar primeiro dificuldade em erguer os braços para cima ou se levantar

Uso de medicamento que pode causar dano muscular

Quando devido ao uso de álcool ou outros medicamentos específicos, dores musculares

Exame clínico

Interromper qualquer medicamento que possa causar o mau funcionamento muscular

Às vezes, eletromiografia

Exames de sangue para medir os níveis de enzimas musculares que vazam do músculo danificado no sangue

Infecções virais que causam inflamação muscular

Dores musculares pioradas pelo movimento, especialmente ao caminhar

Às vezes, febre, coriza, tosse, dor de garganta e/ou fadiga

Às vezes, somente um exame médico

Biópsia muscular (remoção de uma parte de tecido muscular para análise sob um microscópio)

Condições que causam desgaste muscular generalizado:

  • Queimaduras

  • Câncer

  • Inatividade por repouso em cama prolongado ou imobilização em gesso

  • Sepse (infecção da circulação sanguínea)

  • Inanição

Perda de tecido muscular

Em pessoas com evidências óbvias do problema

Exame clínico

Anormalidades de eletrólitos (incluindo um nível baixo de potássio, magnésio ou cálcio) devido a distúrbios específicos ou uso de diuréticos

Fraqueza que

  • Afeta todo o corpo

  • Tende a ir e vir

  • Muitas vezes é acompanhado por cãibras e tremores musculares

Exame de sangue para medir o nível do potássio e outros eletrólitos

Distrofias musculares

(como distrofia muscular de Duchenne e distrofia muscular do cíngulo dos membros)

Fraqueza muscular que

  • Pode começar durante a infância ou em idade adulta

  • Dependendo do tipo, pode progredir rapidamente, causando morte precoce

Em alguns tipos, coluna anormalmente curvada (escoliose) e fraqueza dos músculos espinais, que muitas vezes desenvolve-se durante a infância

Histórico de família completo para determinar se algum parente já teve um distúrbio semelhante

Testes genéticos

Biópsia muscular

Radiografia da coluna para verificar a escoliose

*As características incluem sintomas e resultados do exame clínico. As características mencionadas são típicas, mas nem sempre estão presentes.

Os sintomas variam dependendo do local (nível) do dano. As áreas atendidas pelas partes da medula espinal abaixo da parte lesionada são afetadas ( Onde está a medula espinhal lesionada?).

Em geral, a sensibilidade não é afetada.

TC = tomografia computadorizada; IRM = imagem por ressonância magnética

Exames

Se a pessoa tiver fraqueza generalizada severa ou que progride rapidamente, ou qualquer problema para respirar, primeiro o médico faz testes para avaliar a força dos músculos respiratórios (testes de função pulmonar — Testes de função pulmonar (TFP)). Os resultados desses testes ajudam os médicos a calcular o risco de mau funcionamento súbito e grave dos pulmões (insuficiência respiratória aguda).

Outro teste é feito com base no local em que os médicos acreditam estar o problema:

  • Um distúrbio cerebral: Ressonância magnética (IRM) ou, se IRM não for possível, tomografia computadorizada (TC)

  • Um distúrbio da medula espinal: IRM ou, quando a IRM não for possível, mielografia por TC e às vezes punção lombar

  • Um distúrbio de nervo periférico (incluindo polineuropatias) ou distúrbio da ligação neuromuscular: Eletromiografia e geralmente estudos de condução nervosa

  • Um distúrbio muscular (miopatia): Eletromiografia, geralmente estudos de condução nervosa e possivelmente IRM, medição da enzimas musculares, biópsia muscular e/ou teste genético.

Ocasionalmente, a IRM não estará disponível ou não pode ser feita — por exemplo, em pessoas com marca-passo, outro dispositivo metálico implantado ou outro metal (como estilhaços) no corpo. Nesses casos, outro teste é feito.

Para a mielografia por TC, a TC é feita após inserção de uma agulha nas costas para injetar um corante no líquido que circunda a medula espinal. A eletromiografia é um procedimento no qual se inserem pequenas agulhas em um músculo, para registar a sua atividade elétrica, tanto em repouso como durante a contração muscular. Estudos de condução nervosa suam eletrodos ou agulhas pequenas para estimular um nervo. Então, os médicos medem a velocidade de transmissão de sinais do nervo.

Se as pessoas não tiverem sintomas além de fraqueza, e nenhuma anormalidade for detectada durante o exame, os resultados são geralmente normais. Contudo, os médicos às vezes fazem exames de sangue específicos, como

  • Contagem completa das células sanguíneas (hemograma)

  • Medição dos níveis de eletrólitos (como potássio, cálcio e magnésio), açúcar (glicose) e hormônio estimulante da tireoide

  • Taxa de sedimentação de eritrócitos (ESR), que pode detectar uma inflamação

Os exames de sangue são às vezes feitos para avaliar o funcionamento renal e hepático e verificar a presença do vírus da hepatite.

Tratamento

Se a causa for identificada, ela é tratada se possível. Se a fraqueza começou repentinamente e causa dificuldade para respirar, pode ser usado um ventilador artificial.

Fisioterapia e terapia ocupacional podem ajudar as pessoas a se adaptarem à fraqueza permanente e compensar a perda da função. A fisioterapia pode ajudar a manter e às vezes recuperar a força.

Informações essenciais para idosos

Com o envelhecimento, a quantidade de tecido muscular e força muscular tendem a diminuir. Essas alterações ocorrem em parte porque as pessoas mais velhas podem ficar menos ativas, mas também pela redução na produção dos hormônios que estimulam o desenvolvimento do músculo. Assim, para pessoas mais velhas, ficar acamado durante uma doença pode ter um efeito devastador. Em comparação com pessoas mais jovens, os idosos já têm menos tecido muscular e força no início de uma doença, e perdem o tecido muscular mais rapidamente durante a doença.

Medicamentos são outra causa comum de fraqueza em pessoas mais velhas porque elas tomam mais medicamentos e são mais suscetíveis aos efeitos colaterais de medicamentos.

Ao avaliar pessoas mais velhas que relatam fraqueza, os médicos também se concentram em condições que não causam fraqueza, mas alteram o equilíbrio, a coordenação, a visão ou a mobilidade, ou que tornam o movimento doloroso (como comprometimento da visão ou artrite). As pessoas mais velhas podem descrever erroneamente os efeitos dessas condições como fraqueza.

Pontos-chave

  • Muitas pessoas dizem que se sentem fracas quando na verdade estão cansadas ou o movimento é limitado por causa da dor ou rigidez articular.

  • A fraqueza muscular real ocorre somente quando uma parte da via necessária para o movimento muscular voluntário (do encéfalo aos músculos) funciona mal.

  • Se a fraqueza piorar em alguns dias ou se as pessoas tiverem qualquer sinal de alerta (veja Sinais de alerta), elas devem procurar um médico imediatamente.

  • Muitas vezes, os médicos podem determinar se o problema é a fraqueza muscular real, podendo identificar a causa com base no padrão de sintomas e resultados de exame físico.

  • A fisioterapia é útil na manutenção da força, não importando qual a causa da fraqueza.

Recursos neste artigo