Não encontrado
Locais

Encontre informações sobre assuntos médicos, sintomas, medicamentos, procedimento, noticias e mais, redigidas em linguagem simples.

Estrutura e função dos olhos

Por James Garrity, MD, Mayo Clinic

A órbita é uma cavidade óssea que contém o globo ocular, os músculos, os nervos e os vasos sanguíneos, assim como as estruturas que produzem e drenam as lágrimas. Cada órbita tem forma de pera e a sua estrutura é formada por vários ossos.

O interior do olho

O olho tem uma camada exterior branca, relativamente resistente chamada de esclerótica (ou parte branca do olho). Perto da parte frontal do olho, na área protegida pelas pálpebras, a esclerótica está coberta por uma membrana fina e transparente (a conjuntiva), que reveste a superfície da córnea. A conjuntiva também cobre a úmida superfície posterior das pálpebras e do globo ocular.

A luz penetra no olho através da córnea, a camada clara e curva na frente da íris e da pupila. A córnea atua como camada protetora da parte frontal do olho e também ajuda a concentrar a luz sobre a retina na parte posterior do olho. Depois de passar pela córnea, a luz atravessa a pupila (o ponto preto no meio do olho). A íris—área circular e colorida do olho que circunda a pupila—controla a quantidade de luz que entra no olho. A pupila se dilata (aumenta) e se contrai (diminui) como a abertura da lente de uma câmera conforme muda a quantidade de luz no ambiente imediatamente em seu redor. A íris permite que entre mais luz no olho quando o ambiente está escuro e deixa que entre menos luz quando o ambiente tiver muita luz. O tamanho da pupila é controlado pela ação do músculo do esfíncter pupilar e músculo dilatador da pupila.

Por trás da íris, encontra-se o cristalino. Ao mudar de forma, o cristalino concentra luz na retina. Com a ação de pequenos músculos (chamados músculos ciliares) o cristalino aumenta de espessura para que o olho focalize os objetos próximos e fica mais fino para focalizar os objetos distantes.

A retina contém os nervos que percebem a luz (fotorreceptores) e os vasos sanguíneos que a nutrem. A parte mais sensível da retina é uma área pequena, designada mácula, que tem milhões de fotorreceptores bem unidos entre si (do tipo chamado cones). A alta densidade dos cones na mácula gera uma imagem visual detalhada, do mesmo modo que uma câmera digital de alta resolução tem mais megapixels. Cada fotorreceptor está ligado a uma fibra nervosa. As fibras nervosas dos fotorreceptores se agrupam para formar o nervo óptico. O disco óptico, a primeira parte do nervo óptico, está localizado na parte posterior do olho. Os fotorreceptores da retina convertem a imagem em impulsos elétricos, os quais são transmitidos ao cérebro pelo nervo óptico.

Há dois tipos principais de fotorreceptores: cones e bastonetes. Os cones são os responsáveis pela visão precisa, central e detalhada e pela visão em cores, estando agrupados principalmente na mácula. Os bastonetes são responsáveis pela visão periférica (lateral) e pela visão noturna. Os bastonetes são mais numerosos do que os cones e bem mais sensíveis à luz, mas não registram a cor nem contribuem para a visão central detalhada como fazem os cones. Os bastonetes ficam agrupados, sobretudo, nas áreas periféricas da retina.

Traçando os caminhos visuais

Os sinais nervosos se deslocam de cada olho junto com o nervo óptico correspondente e outras fibras nervosas (denominado caminho visual) para a parte posterior do cérebro, onde a visão é percebida e interpretada. Os dois nervos ópticos se encontram no quiasma óptico, que é uma área atrás dos olhos e imediatamente à frente da hipófise, por baixo da zona frontal do cérebro. O nervo óptico de cada olho se divide no quiasma óptico. Metade dos nervos de cada lado cruzam para o outro lado e seguem para a parte posterior do cérebro. Assim, o lado direito do cérebro recebe informação dos dois nervos ópticos para o campo esquerdo da visão, e o lado esquerdo do cérebro recebe informação dos dois nervos ópticos para o campo direito da visão. O meio desses campos de visão se sobrepõe. É visto pelos dois olhos (conhecido como visão binocular).

Um objeto é visto por cada olho em ângulos ligeiramente diferentes, portanto a informação que o cérebro recebe de cada olho é diferente embora se sobreponha. O cérebro absorve a informação para gerar uma imagem completa. Este processo é a base da visão estéreo ou percepção profunda.

O globo ocular se divide em dois segmentos, cada um cheio de líquido. A secção frontal (segmento anterior) se estende do interior da córnea até a superfície frontal do cristalino. É preenchida por um líquido denominado humor aquoso, que nutre as estruturas internas. A parte dorsal (segmento posterior) se estende da superfície posterior do cristalino até a retina. E contém um líquido gelatinoso denominado humor vítreo. A pressão gerada por esses líquidos preenche o globo ocular e ajuda a manter a sua forma.

O segmento anterior é dividido em duas câmaras. A câmara frontal (anterior) se estende da córnea até a íris. A câmara dorsal (posterior) se estende da íris até o cristalino. Normalmente, o humor aquoso é produzido na câmara posterior, flui lentamente pela pupila e chega à câmara anterior, saindo depois do globo ocular através de canais de saída localizados onde a íris se encontra com a córnea.

Recursos neste artigo