Não encontrado
Locais

Encontre informações sobre assuntos médicos, sintomas, medicamentos, procedimento, noticias e mais, redigidas em linguagem simples.

Soluços

Por Norton J. Greenberger, MD, Harvard Medical School;Brigham and Women's Hospital

Os soluços são espasmos repetidos e involuntários do diafragma, seguidos por fechamentos ruidosos e rápidos da glote. O diafragma é o músculo que separa o tórax do abdome e é responsável pela respiração. A glote é a abertura entre as cordas vocais, que se fecha para interromper o fluxo de ar para os pulmões. Os soluços são mais comuns entre os homens.

Breves episódios de soluços (durando alguns minutos) são muito comuns. Geralmente os soluços persistem por algum tempo, mesmo em pessoas saudáveis. Às vezes, os soluços podem durar mais de dois dias, ou mesmo até mais de um mês. Estes episódios mais longos são chamados de persistentes ou intratáveis (difíceis de tratar ou de curar). Estes episódios mais longos são incomuns, mas podem ser muito incômodos.

Causas

Os médicos não sabem porque os soluços ocorrem, mas acham que pode envolver irritação dos nervos ou das partes do cérebro que controlam os músculos da respiração (incluindo o diafragma).

Breves episódios de soluços geralmente não têm causa óbvia, mas, às vezes, eles são acionados por

  • Estômago inchado

  • Consumo de álcool

  • Ingestão de substâncias quentes ou irritantes

Nesses casos, os soluços têm início em uma situação social, talvez desencadeados por uma mistura de rir, falar, comer e beber (particularmente álcool). Em algumas ocasiões, alimentos ou líquidos quentes ou irritantes são a causa. É mais provável ocorrer soluços quando as concentrações de dióxido de carbono no sangue diminuem. Essa diminuição pode acontecer se as pessoas hiperventilarem.

Episódios persistentes ou intratáveis de soluços, às vezes, têm causas mais sérias ( Algumas causas e características de soluços persistentes ou intratáveis). Por exemplo, o diafragma pode ficar irritado em decorrência de pneumonia ou cirurgia no tórax ou estômago, bem como devido a resíduos que se acumulam no sangue devido a insuficiência renal (uremia). Raramente o soluço é consequência de um tumor cerebral ou de um acidente vascular cerebral afetando o centro respiratório no cérebro.

Quando a causa é séria, os soluços tendem a persistir até que a causa seja corrigida. O soluço provocado por um tumor cerebral ou por um acidente vascular cerebral pode ser muito difícil de controlar e ser esgotante.

Avaliação

Breves episódios de soluços não exigem avaliação médica. As seguintes informações podem ajudar as pessoas a decidirem quando a avaliação médica é necessária e a saberem o que esperar durante a avaliação para soluços persistentes.

Sinais de alerta

Em pessoas com soluços, certos sintomas e características são motivos de preocupação. Entre eles estão

  • Sintomas neurológicos (como dor de cabeça, fraqueza, apatia e perda de equilíbrio)

Quando consultar um médico

Pessoas com soluços e sinais de alerta devem consultar um médico imediatamente. Pessoas sem sinais de alerta devem consultar um médico se os soluços durarem mais de dois ou três dias.

O que o médico faz

Primeiro, os médicos fazem perguntas sobre os sintomas e o histórico médico da pessoa. Em seguida, os médicos fazem um exame físico. O que os médicos encontram durante a avaliação do histórico e o exame físico geralmente sugere uma causa para os soluços e os exames que podem ser necessários ( Algumas causas e características de soluços persistentes ou intratáveis).

O histórico enfoca a duração dos soluços, quais tratamentos a pessoa tentou e se a pessoa esteve doente ou passou por cirurgia recentemente. Os médicos também perguntam se pessoas têm

  • Sintomas de refluxo gastroesofágico

  • Dificuldade para engolir

  • Tosse, febre ou dor torácica

  • Sintomas neurológicos (como dor de cabeça e/ou dificuldade de andar, falar, conversar ou ver)

Os médicos também perguntam às pessoas sobre consumo de álcool.

O exame físico se concentra em uma análise neurológica completa. Um exame geral não revela muito, mas os médicos buscam sinais de doença crônica, como atrofia grave de músculos e tecido adiposo (caquexia).

Algumas causas e características de soluços persistentes ou intratáveis

Causa

Características comuns*

Exames

Esôfago

Doença do refluxo gastroesofágico

Azia (sensação de queimação que começa no abdome superior e vai até a garganta, geralmente com um sabor ácido na boca)

Dor torácica

Às vezes, tosse, rouquidão ou ambos

Sintomas algumas vezes ativados ao se deitar

Alívio com antiácidos

Exame médico

Às vezes, tentar tratamento com medicamentos para inibir a produção de ácidos

Às vezes, endoscopia do trato digestivo superior (exame do esôfago e do estômago usando-se um tubo flexível para visualização)

Abdome

Cirurgia abdominal (recente)

Histórico óbvio de cirurgia recente

Exame médico

Doença da vesícula biliar

Dor na parte superior direita do abdome, abaixo da caixa torácica

Algumas vezes, náuseas e vômitos

Ultrassonografia

Hepatite

Uma sensação de mal-estar geral

Falta de apetite

Náusea e, às vezes, vômito

Às vezes, pele e parte branca dos olhos amareladas (icterícia)

Leve desconforto na parte superior direita do abdome

Exames de sangue

Câncer de fígado (incluindo os que chegaram ao fígado por metástase)

Desconforto permanente na parte superior do abdome

Perda de peso

Cansaço

Ultrassonografia, TC ou IRM abdominal

Pancreatite

Dor grave e constante na região superior do abdome

Geralmente vômito

Exames de sangue

Gravidez

Geralmente um período menstrual perdido

Às vezes, enjoo matinal e/ou inchaço dos seios

Teste de gravidez

Tórax

Cirurgia torácica (recente)

Histórico óbvio de cirurgia recente

Exame médico

Inflamação da membrana ao redor do coração (pericardite)

Dor torácica aguda que piora ao respirar e tossir

Eletrocardiograma (ECG)

Inflamação de parte da membrana pulmonar (pleura) próxima ao diafragma (pleurisia diafragmática)

Dor torácica aguda que piora ao respirar e tossir

Radiografia torácica

Pneumonia

Tosse, febre, calafrio e dor torácica

Algumas vezes, falta de ar

Radiografia torácica

Outros

Alcoolismo

Histórico de consumo excessivo de álcool

Exame médico

Certos tumores cerebrais ou acidente vascular cerebral

Às vezes, em pessoas que sabidamente tiveram um acidente vascular cerebral ou têm um tumor

Às vezes, recorrência de dores de cabeça e/ou dificuldades de caminhar, falar, conversar ou enxergar

TC e/ou IRM cerebral

Insuficiência renal

Geralmente em pessoas com diagnóstico de insuficiência renal

Exames de sangue

*As características incluem sintomas e resultados de exame médico. As características mencionadas são típicas, mas nem sempre estão presentes.

TC = tomografia computadorizada; IRM = imagem por ressonância magnética

Exames

Os médicos geralmente não realizam nenhum exame em pessoas que apresentam soluços breves.

Pessoas com sinais de alerta ou cujos soluços são persistentes e não apresentam causas óbvias devem se submeter a exames. Os médicos geralmente começam com exames de sangue, radiografias torácicas e eletrocardiografia (ECG). Outros exames são feitos com base nos outros sintomas das pessoas ( Algumas causas e características de soluços persistentes ou intratáveis). Se esses exames não revelarem uma causa, os médicos podem realizar um exame de imagem de ressonância magnética (IRM) cerebral e tomografia computadorizada (TC) torácica, mesmo em pessoas sem outros sintomas especificamente relacionados a essas áreas.

Tratamento

O melhor modo de tratar soluços é tratar o distúrbio subjacente. Por exemplo, os médicos dão antibióticos às pessoas para pneumonia e inibidores da bomba de prótons para refluxo gastroesofágico.

Soluços breves

Praticamente todos os soluços desaparecem com ou sem tratamento. Utilizaram-se muitos tratamentos caseiros para curar soluços breves. A maioria não funciona ou é apenas levemente eficaz. Entretanto, como esses tratamentos geralmente são seguros e simples, não há risco em tentá-los. Muitos métodos envolvem meios de elevar o nível de dióxido de carbono no sangue, como os seguintes:

  • Prender a respiração

  • Respirar profundamente em um saco de papel (não de plástico)

Outros métodos tentam estimular o nervo vago, que se estende do cérebro ao estômago. Os seguintes recursos podem estimular este nervo:

  • Beber água rapidamente

  • Engolir pão seco, açúcar granulado ou gelo fragmentado

  • Retrair suavemente a língua

  • Estimular o engasgamento (como ao colocar um dedo na garganta)

  • Pressionar suavemente os globos oculares

Soluços persistentes e intratáveis

Para soluços persistentes, é necessário tratamento, sobretudo quando a causa não pode ser corrigida facilmente. Utilizaram-se alguns medicamentos com sucesso variável. Dentre eles estão clopromazina, baclofeno, metoclopramida e gapabentina.

Se os medicamentos não funcionarem, os médicos podem bloquear um dos nervos frênicos, que controlam as contrações do diafragma. Os médicos bloqueiam o nervo ao injetar pequenas quantidades de um anestésico local chamado procaína. Se o bloqueio do nervo funcionar, mas os soluços retornarem, os médicos podem cortar o nervo cirurgicamente (frenicotomia), mas mesmo esse procedimento não cura todas as causas.

Pontos importantes

  • Em geral, desconhece-se a causa.

  • Embora raro, um distúrbio sério por estar presente às vezes.

  • A avaliação médica geralmente não revela a causa, mas deve ser feita para soluços persistentes ou intratáveis.

  • Existem vários tratamentos, mas nenhum é superior ou mais eficaz do que os outros.

Recursos neste artigo