Não encontrado
Locais

Encontre informações sobre assuntos médicos, sintomas, medicamentos, procedimento, noticias e mais, redigidas em linguagem simples.

Deficiência e Toxicidade do Zinco

Por Larry E. Johnson, MD, PhD, University of Arkansas for Medical Sciences;Central Arkansas Veterans Healthcare System

O zinco é amplamente distribuído no corpo — nos ossos, dentes, cabelo, pele, fígado, músculo, glóbulos brancos e nos testículos. É componente de mais de 100 enzimas, incluindo algumas implicadas na formação de ácido ribonucleico (RNA, ribonucleic acid) e ácido desoxirribonucleico (DNA, deoxyribonucleic acid).

A concentração de zinco no sangue depende da alimentação. O zinco é necessário para que a pele fique saudável, para que as feridas cicatrizem e para o crescimento.

Grande parte do zinco consumido na dieta não é absorvida. Uma dieta rica em fibras e fitato (presente em nozes, farelo, feijão, soja, outras leguminosas e pão integral) reduz a absorção de zinco.

Deficiência de zinco

  • A deficiência de zinco tem muitas causas, incluindo várias doenças, alcoolismo e uso de diuréticos.

  • As pessoas perdem o apetite, têm queda de cabelo e podem se sentir lentas e perder o paladar.

  • Os médicos podem medir o nível de zinco no sangue, mas esse teste não é uma maneira confiável para determinar o status de zinco.

  • Suplementos de zinco ingeridos por via oral podem curar a deficiência.

Muitas condições podem aumentar o risco de desenvolver deficiência de zinco. A deficiência devido a uma dieta pobre em zinco é rara nos países desenvolvidos. A deficiência de zinco é comum entre as pessoas idosas que vivem em instituições e pessoas acamadas.

Você sabia que...

  • A falta de zinco pode enfraquecer o sistema imunológico e fazer com que os ferimentos se curem mais lentamente.

  • A deficiência de zinco é comum entre as pessoas idosas que vivem em instituições e pessoas acamadas.

O Que Pode Causar a Deficiência de Zinco?

Causa

Exemplos

Dieta

Uma causa rara em países desenvolvidos

Distúrbios

Alcoolismo

Infecções da corrente sanguínea (septicemia)

Doença renal crônica

Diabetes mellitus

Doenças que prejudicam a absorção (má absorção)

Distúrbios hepáticos

Doenças do pâncreas

Anemia falciforme

Tratamentos

Diuréticos

Alimentação intravenosa por período prolongado

Na acrodermatite enteropática, uma doença hereditária rara, o zinco não pode ser absorvido.

Sintomas

Os primeiros sintomas incluem perda de apetite e atraso no crescimento nos lactentes e nas crianças. As pessoas podem perder seus cabelos em algumas áreas. Elas podem se sentir lentas e apresentar irritabilidade. O paladar e o olfato podem ser prejudicados. Podem surgir erupções cutâneas. Nos homens pode ocorrer a redução da produção de espermatozoides. O sistema imunológico do corpo pode ser prejudicado, e as feridas podem cicatrizar mais lentamente e não totalmente.

Se uma mulher grávida tiver deficiência de zinco, o bebê poderá apresentar defeitos congênitos e poderá pesar menos do que o esperado ao nascer.

Na acrodermatite enteropática, os sintomas costumam surgir ao desmamar um bebê afetado. Essa doença pode resultar em diarreia e perda de cabelo. Uma erupção cutânea se desenvolve em torno dos olhos, do nariz e da boca e nas nádegas. O sistema imunológico pode ser prejudicado, resultando em muitas infecções. Os lactentes podem não crescer como esperado.

Diagnóstico e tratamento

Os médicos suspeitam da existência de deficiência de zinco baseando-se nas circunstâncias pessoais do paciente, nos sintomas e no modo como responde ao tratamento com suplementos de zinco. Exames de sangue e de urina não medem com precisão o status de zinco.

Suplementos de zinco são ingeridos por via oral até que os sintomas desapareçam. Os suplementos de zinco são eficazes contra acrodermatite enteropática.

Toxicidade do Zinco

As pessoas raramente consomem muito zinco. Geralmente, o excesso de zinco resulta do consumo de alimentos ácidos ou de bebidas enlatadas em recipientes com revestimento de zinco (galvanizadas). Em certas indústrias, a inalação de vapores de óxido de zinco pode resultar em excesso de zinco.

As pessoas podem apresentar náuseas, vômitos e diarreia. A inalação de vapores de óxido de zinco pode causar respiração rápida, sudorese, febre e um gosto metálico na boca, uma doença chamada febre do fumo metálico. O consumo excessivo e prolongado de zinco pode reduzir a absorção de cobre, provocar anemia e afetar o sistema imunológico.

O diagnóstico médico baseia-se nas circunstâncias pessoais e nos sintomas.

O tratamento consiste em reduzir o consumo de zinco. Pessoas com febre do fumo metálico geralmente se recuperam depois de ficar em um ambiente livre de zinco por de 12 a 24 horas.

Recursos neste artigo