Não encontrado
Locais

Encontre informações sobre assuntos médicos, sintomas, medicamentos, procedimento, notícias e mais, redigidas em linguagem simples.

Considerações gerais sobre bactérias

Por Larry M. Bush, MD, Affiliate Professor of Clinical Biomedical Sciences;Affiliate Associate Professor of Medicine, Charles E. Schmidt College of Medicine, Florida Atlantic University;University of Miami-Miller School of Medicine

As bactérias são organismos microscópicos unicelulares. Há milhares de tipos diferentes, e elas vivem em todos os ambientes concebíveis em todo o mundo. Elas vivem no solo, na água do mar e nas profundezas da crosta da Terra. Há relato de que algumas bactérias vivem até em dejetos radioativos. Muitas bactérias vivem no corpo das pessoas e dos animais, sobre a pele, nas vias respiratórias, na boca e nos tratos digestivo, reprodutivo e urinário, sem causar nenhum dano. Essas bactérias são denominadas flora habitual ou o microbioma. Muitas floras habituais são efetivamente úteis para as pessoas ajudando-as, por exemplo, a digerir alimentos ou prevenindo o crescimento de outras bactérias mais perigosas.

Apenas alguns tipos de bactérias causam doenças. Elas são chamadas de patógenos. Às vezes, bactérias que residem normalmente de forma não prejudicial no corpo causam doenças. As bactérias podem causar doença ao produzirem substâncias nocivas (toxinas), ao invadirem tecidos ou ambos.

Classificação

As bactérias podem ser classificadas de várias maneiras:

  • Nomes científicos: As bactérias, assim como outros seres vivos, são classificadas por gênero (com base em terem uma ou várias características similares) e, dentro do gênero, por espécie. O nome científico delas é por gênero seguido pela espécie (por exemplo, Clostridium botulinum). Dentro da espécie, há muitos tipos diferentes, chamados cepas. As cepas diferem na formação genética e nos componentes químicos. Às vezes, certos medicamentos e vacinas são eficazes somente contra determinadas cepas.

  • Coloração: As bactérias podem ser classificadas pela cor em que se transformam após certos produtos químicos (colorações) serem aplicados a elas. Uma coloração comumente usada é a coloração de Gram. Algumas bactérias ficam com a coloração azul. Elas são chamadas de gram-positivas. Outras ficam com a coloração vermelha. Elas são chamadas de gram-negativas. As bactérias gram-positivas e gram-negativas têm a coloração diferente porque suas paredes celulares são diferentes. Elas também causam tipos diferentes de infecções e tipos diferentes de antibióticos são eficazes contra elas.

  • Formas: Todas as bactérias podem ser classificadas como uma de três formas básicas: esferas (cocos), cilindros (bacilos) e espirais ou hélices (espiroquetas).

  • Necessidade de oxigênio: As bactérias são também classificadas pela necessidade que têm do oxigênio para viver e crescer. Aquelas que precisam de oxigênio são chamadas de aeróbicas. Aquelas que têm dificuldade de viver ou crescer quando há oxigênio são chamadas de anaeróbicas. Algumas bactérias, chamadas bactérias facultativas, podem viver e crescer com ou sem a presença de oxigênio.

Como as bactérias tomam forma

Defesas bacterianas

As bactérias podem ter muitos modos de se defender.

Biofilme

Algumas bactérias secretam uma substância que as ajuda a atacar outras bactérias, células ou objetos. Essa substância se combina com a bactéria para formar uma camada pegajosa chamada biofilme. Por exemplo, certas bactérias formam um biofilme nos dentes (chamado placa dentária). O biofilme captura partículas de alimentos que as bactérias processam e usam e, neste processo, elas provavelmente causam cárie. Os biofilmes também ajudam a proteger as bactérias contra antibióticos.

Cápsulas

Algumas bactérias são envoltas em uma cápsula protetora. Essa cápsula ajuda a evitar que os glóbulos brancos do sangue que lutam contra a infecção ingiram a bactéria. Tais bactérias são descritas como encapsuladas.

Membrana externa

Sob a cápsula, as bactérias gram-negativas têm uma membrana externa que as protege contra certos antibióticos. Quando perturbada, essa membrana libera substâncias tóxicas chamadas de endotoxinas. As endotoxinas contribuem para a gravidade dos sintomas durante infecções com bactéria gram-negativas.

Esporos

Algumas bactérias produzem esporos, que são uma forma inativa (dormente). Os esporos possibilitam às bactérias sobreviverem quando as condições ambientais são difíceis. Quando as condições são favoráveis, cada esporo germina para uma bactéria ativa.

Flagelos

Os flagelos são filamentos longos e finos que se projetam da superfície da célula e capacitam a bactéria a se mover. As bactérias sem flagelos não podem se mover sozinhas.

Resistência a antibióticos

Algumas bactérias são naturalmente resistentes a determinados antibióticos.

Outras bactérias desenvolvem resistência a medicamentos porque elas adquirem genes de outras bactérias que se tornaram resistentes ou porque seus genes sofrem mutação. Por exemplo, logo depois que a penicilina foi introduzida em meados da década de 40, algumas bactérias Staphylococcus aureus isoladas adquiriram genes que tornaram a penicilina ineficaz contra elas. As cepas que possuíam esses genes especiais tinham uma vantagem de sobrevida quando a penicilina foi comumente usada para tratar infecções. As cepas de Staphylococcus aureus que não tinham esses genes novos foram mortas pela penicilina, permitindo que o restante das bactérias resistentes à penicilina se reproduzisse e se tornasse mais comum ao longo do tempo. Os químicos então alteraram a molécula da penicilina criando um medicamento diferente, mas similar, a meticilina, o que mataria as bactérias resistentes à penicilina. Logo após a meticilina ser introduzida, cepas de Staphylococcus aureus desenvolveram genes que as tornaram resistentes à meticilina e aos medicamentos relacionados. Essas cepas são chamadas de Staphylococcus aureus resistente à meticilina (SARM).

Os genes que codificam a resistência ao medicamento podem ser passados para as gerações seguintes de bactérias ou, às vezes, até mesmo para outras espécies de bactérias.

Quanto mais frequentemente são usados antibióticos, mais provável é o desenvolvimento de bactérias resistentes. Portanto, os médicos tentam usar antibióticos somente quando necessário. Dar antibióticos a pessoas que provavelmente não têm infecção bacteriana, tais como aquelas que apresentam tosse e sintomas de resfriado, não melhora o estado das pessoas, mas ajuda a criar bactérias resistentes. Devido ao consumo generalizado (e abusivo), muitas bactérias são resistentes a certos antibióticos.

As bactérias resistentes podem ser transmitidas de pessoa para pessoa. Uma vez que as viagens internacionais são tão comuns, as bactérias resistentes podem se disseminar para muitas partes do mundo em um curto tempo. A disseminação dessas bactérias em hospitais é uma preocupação em particular. As bactérias resistentes são comuns em hospitais, porque os antibióticos são muitas vezes necessários e os funcionários e visitantes podem transmitir as bactérias se não seguirem rigidamente os procedimentos higiênicos apropriados. Além disso, muitos pacientes hospitalizados possuem um sistema imunológico enfraquecido, tornando-os mais vulneráveis à infecção.

Bactérias resistentes também podem ser transmitidas dos animais para as pessoas. Bactérias resistentes são comuns entre animais de fazenda porque os antibióticos são muitas vezes dados rotineiramente a animais saudáveis para prevenir infecções que podem prejudicar o crescimento ou causar doença.

Recursos neste artigo